Blockchain Polkadot oficialmente descentralizada

Blockchain Polkadot oficialmente descentralizada

Agora, a blockchain Polkadot está totalmente descentralizada e sem permissão. Após uma decisão tomada pela governança da comunidade que removeu os direitos de administrador usufruídos pela Web3 Foundation.

O co-fundador da Parity Technologies, Gavin Wood, twittou por acaso o desmantelamento. A proposta de governança para remover privilégios especiais de administrador foi promulgada por volta das 8h UTC do dia 21 de julho, o que sinalizou o verdadeiro lançamento do Polkadot.

Desde o final de maio, o Polkadot já estava em operação, mas começou sua vida como uma rede autorizada de “prova de autoridade”. A Web3 Foundation validou a rede e tinha acesso especial – caso ocorresse uma crise – para intervir na blockchain.

Então, essas medidas foram adotadas para reduzir os danos causados ​​por possíveis violações e falhas catastróficas de segurança na rede recém-lançada. No entanto, com o tempo a validação foi descentralizada para a comunidade, por meio de um sistema de prova de participação. O sistema emprega atualmente mais da metade dos tokens do DOT em circulação através de 197 validadores.

O sistema de governança da comunidade é um componente-chave do consenso de Polkadot. Pois ele permite que os detentores de tokens expressem sua opinião sobre os principais parâmetros do ecossistema, sendo um desses parâmetros a denominação de tokens.

Além disso, o sistema de governança também foi usado para remover o acesso de administrador, no que Wood chamou de final “bem poético”. No entanto, o procedimento também foi necessário de uma perspectiva prática para testar o sistema de governança uma última vez.

Após votação, Polkadot eliminou o tag “CC1” para sua rede mainnet, sigla para “Chain Candidate 1”. Isso sinalizou o início da verdadeira rede principal para a plataforma de contrato inteligente.

Preparação para o lançamento

Antes do lançamento final, a Polkadot estava ocupada incorporando empresas e desenvolvedores à sua comunidade. Contudo, a modularidade do Polkadot permite atrair desenvolvedores de outras plataformas de smartcontracts, como o Ethereum e de origens mais tradicionais. Para sua máquina virtual ele usa o WebAssembly, que aceita linguagens de programação “Web2” como Rust e C ++ para codificar DApps. Também estão sendo trabalhadas e desenvolvidas estruturas para implantar aplicativos descentralizados no Solidity, a linguagem de programação da Ethereum.

Anteriormente, a Parity passou a integrar os oráculos Chainlink no Kusama; a “rede canária” de Polkadot, usada para experimentar a tecnologia em um ambiente de ativos um pouco menor.

Além disso, sabe-se que a Celer Network esteve trabalhando para trazer a escalabilidade da camada dois para a Polkadot. Como parte da visão geral de interoperabilidade, a Web3 Foundation também está financiando uma variedade de projetos focados em conectar outras blockchains com o Polkadot, principalmente o Bitcoin (BTC).

Veja mais: Notícias | Blockchain

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário