Empréstimos da Maker serão liquidados?

Empréstimos da Maker serão liquidados?

A comunidade Maker está em busca de soluções após uma análise da B.Protocol sugerir que é possível explorar o sistema de liquidação para criar dívidas sem garantias.

Os pesquisadores criaram pequenos cofres por US$ 128, logo acima do parâmetro “poeira” do Maker que define o tamanho mínimo para novos cofres. À medida que os oráculos do fabricante eram atualizados para novos preços que tornavam esses cofres elegíveis para liquidação, a B.Protocol descobriu que a dívida permaneceu não reclamada por várias horas.

Embora os pesquisadores posteriormente tenham fechado os empréstimos inadimplentes por conta própria, o mecanismo poderia ser usado para criar uma posição da Dai que jamais seria liquidada. Dividir um empréstimo de US$ 1 milhão em pequenas parcelas de pouco mais de US$ 100 custaria cerca de US$ 5.000 em gás – um pequeno preço a pagar pela possibilidade de evitar completamente a liquidação, afirmam os analistas.

A razão pela qual esses cofres não são liquidados provavelmente tem a ver com os preços do gás. Cada processo de liquidação custa aproximadamente 500.000 gás, cerca de 10 vezes mais alto do que o custo de abertura de cada cofre ou envio de uma transação simbólica. Dado que os leilões de liquidação costumam ser extremamente acirrados e dependem de detentores que ofertam uns aos outros com tarifas de gás muito altas, é improvável que valha a pena liquidar pequenos cofres.

Yaron Velner, o fundador da B.Protocol, disse em entrevista que isso era mais provável porque os robôs de liquidação são instruídos a ignorar os cofres abaixo de um certo limite “com base em algum pressentimento”.

Em resposta às descobertas, a comunidade Maker começou a pesquisar maneiras de limitar o vetor de ataque potencial. Se fosse explorado em grande escala, poderia levar a consequências semelhantes às do incidente da Black Thursday. Os cofres ruins podem eventualmente cair decisivamente abaixo do limite de garantia de 100%, o que significa que, mesmo se fossem liquidados, eles ainda deixariam o sistema com Dai sem lastro. Como alternativa, os altos custos do gás podem significar que a maior oferta lucrativa não retornará Dai suficiente para cobrir a dívida.

A comunidade Maker está estudando uma solução rápida para aumentar o tamanho mínimo do cofre, mas Velner é cético em relação a essa solução, pois não está claro se um mínimo mais alto tornaria repentinamente esses cofres atraentes para bots liquidatários. Uma solução de longo prazo é “Liquidações 2.0”, em que o protocolo pagaria diretamente aos liquidatários para garantir a dívida.

Velner acredita que isso é em grande parte uma questão de incentivos, observando que a competição acirrada entre os liquidantes introduz incerteza nos lucros esperados que não podem ser estimados analiticamente. O B.Protocol visa reduzir o grau de concorrência entre os liquidantes, limitando-o a leilões periódicos em que licitem o direito de se envolver em liquidações sem perturbações. B.Protocol também foi responsável por trazer à tona a fraqueza crítica da Maker em relação aos empréstimos flash.

Outros protocolos que dependem de leilões de liquidação também podem ser vulneráveis ​​a esse problema, observou Velner.

Alex Melikhov, CEO da Equilibrium – um protocolo de empréstimo de cadeia cruzada semelhante ao MakerDAO – argumentou que o mecanismo de leilão complexo da Maker resultou em um “histórico ruim de manutenção de operações normais durante tempos de pressão do mercado”.

A solução adotada pela Equilibrium conta com “bailsmen” que continuamente comprometem a liquidez, que é então automaticamente sacada pelo protocolo para remendar a inadimplência. De acordo com Melikhov, o sistema sofre “nenhuma das desvantagens que estamos aprendendo sobre a mecânica de leilão da MakerDAO”.

As vítimas do crash da Black Thursday não foram reembolsadas pela comunidade Maker, em parte devido à crença de que foi uma falha de mercado, não um problema com o sistema. No entanto, dados os esforços atuais para revisar os leilões de dívidas, parece que a comunidade está começando a reconhecer suas limitações.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário