Golpistas pedem recompensa em Bitcoin

Golpistas pedem recompensa em Bitcoin

Em 13 de abril, foi emitido um alerta pela polícia da Nova Zelândia. O alerta era sobre um golpe relacionado a criptomoedas, em que as vítimas sofriam ameaças de que suas fotos íntimas fossem vazadas.

NZ Herald publicou um relatório em que as autoridades dizem que os golpistas atuavam e roubavam as vítimas via e-mail. Aparentemente, as ameaças ocorriam quando os golpistas conseguiam fotos íntimas das vítimas e ameaçavam publicar os arquivos. O valor de recompensa para que nada fosse vazado era de NZ$1,900 (US$1,150) em Bitcoin (BTC).

Os golpistas enviavam um e-mail à vítima, garantindo terem invadido seus computadores e espionado todos os seus arquivos e históricos na internet. A principal arma contra as vítimas era a ameaça de que todo o conteúdo seria exposto à seus amigos e familiares.

Golpistas pedem recompensa em Bitcoin

A posse de informações era falsa

As vítimas se sentiam obrigadas a ceder pois se sentiam expostas. Entretanto, segundo o detetive Callum McNeil, as alegações dos golpistas eram falsas! Eles não obtinham nenhuma informação das vítimas, nem de seus computadores, históricos ou webcams.

Em alguns dos emails enviados pelos golpistas, eles também afirmavam terem acesso às senhas usadas pelas vítimas.

O detetive, ressalta que golpes como esse não são algo novo, principalmente na Nova Zelândia. McNeil diz que o golpe tem acontecido por não menos que dois anos. Apesar disso, a Polícia de Waitemata está investigando pois anteriormente as recompensas não eram solicitadas em Bitcoins. McNeil pede para que quando e se receber um e-mail dessa espécie, que o exclua imediatamente.

Chantagens via internet e com relação à criptomoedas vem aumentando em todo o Reino Unido, e tem ganhado impulso ultimamente, em parte pela pandemia de Coronavírus.

A Polícia Britânica também advertiu sobre aproximadamente 562 casos nos últimos dois anos, de chantagens com relação direta ao Bitcoin.

Veja mais em: Criptomoedas

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.