Telegram: ‘Não precisamos de outra criptomoeda’

Telegram: 'Não precisamos de outra criptomoeda'

Outro atraso no lançamento da Telegram Open Network (TON), faz com que os principais players de criptomoedas “desistam” de esperar a moeda, o último prazo perdido foi 30 de abril. O CEO do banco de criptomoedas Galaxy Digital, Michael Novogratz, mostrou através de um tweet, que perdeu suas esperanças sobre o projeto de blockchain e criptografia do Telegram.

Novogratz tem objetivo de que usuários de Telegram virem consumidores de bitcoin

De acordo com o CEO, o lançamento de outra rede de blockchain ou criptomoeda é desnecessário. Novogratz prevê confiantemente que o bitcoin chegará a US$ 20.000 antes do início de 2021, e diz que o Telegram deve aderir a bitcoin e stablecoins no lugar do TON e seu token nativo, Gram (GRM).

Ele acrescentou:

“O telegram deve habilitar moedas btc e estáveis ​​em sua plataforma. Não precisamos de outra blockchain. Não precisamos de outra criptomoeda. Eles têm uma comunidade incrível de usuários de mensagens. Transforme-os em consumidores agora.”

Ele já realizou diversos projetos de criptomoedas, entre eles, está o Cosmos (ATOM). Contudo, o gigante no setor de criptomoedas, perdeu a venda de tokens do Telegram, perdendo a chance de fazer parte de rodadas de financiamento futuras.

O Telegram, que possui 400 milhões de usuários mensais, poderia ser um enorme entusiasta do bitcoin, uma vez que a comunidade de criptografia sempre o cita como um dos melhores apps de mensagens. De acordo com a empresa, são feitas aproximadamente 1,5 milhão de novas inscrições diárias.

Projeto de criptomoeda em desenvolvimento desde 2017 pelo Telegram

O Telegram, ao invés de iniciar com criptos populares, como o bitcoin, decidiu investir em desenvolver sua própria criptomoeda e blockchain. A TON e o token Gram começaram a ser desenvolvidos em 2017. O projeto levantou aproximadamente US$ 1,7 bilhão em duas ofertas privadas no início de 2018.

A rede TON era prevista para ser lançada até outubro de 2019, mas ainda não foi feito. O Telegram se encontra em uma luta legal com a Securities Exchange Comission (SEC) dos EUA, desde a conclusão da oferta de moedas. A SEC revelou que a empresa quebrou leis de valores mobiliários ao vender tokens por US$ 1,7 bilhão em 2018. Com isso ocorrendo, o CEO da empresa, Pavel Durov, realizou proposta para investidores de um reembolso de 72% ou 110% em 1 ano.

Entretanto, apesar dos problemas regulatórios, é possível ainda ser feito o início da rede TON independente do Telegram.

Veja mais em: Criptomoedas

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário