80% das ICOs de 2017 eram fraudes, diz estudo

Um novo estudo de uma empresa de consultoria afirma que 80% de todas as ICOs executadas em 2017 eram “golpes identificados”.

Um estudo organizado pela Satis Group, empresa de consultoria, revela que quase 80% das ICOs que foram organizadas no ano passado eram fraudes, pelo menos em seus estágio de pré-negociação.

Mesmo para o mercado de ICOs crivado de fraudes, isso parece um pouco alto. Olhando mais para o relatório, podemos descobrir como o Satis Group define golpes:

“Qualquer projeto que expressasse a disponibilidade de investimento por ICO […] e não tinham a intenção de cumprir os deveres de desenvolvimento do projeto com os fundos e/ou foi considerado pela comunidade  através de (quadros de mensagens, site ou outras informações online) como uma fraude.”

Por causa da natureza descentralizada e de nova fronteira criada pelas vendas simbólicas, cada nova ICO é frequentemente acompanhada por um número significativo de pessoas que farão tudo o que puderem para provar que cada projeto ICO é uma farsa.

Esse fenômeno ocorre principalmente devido à falta de uma agência confiável que rastreia e certifica os tokens. Não há ninguém lá fora, compilando uma lista de ICOs que poderia ser incompleta, deixando as pessoas especularem sobre a credibilidade de qualquer venda simbólica.

Navegando pela internet, podemos facilmente encontrar acusações de golpes em todos os lugares. Pessoas acusando até mesmo projeto mais conhecidos pela maioria como por exemplos, a TRON, ICO do Telegram, Aeternity e muitos outros.

Se ICOs grandes e estabelecidas obtiverem tantas críticas da comunidade de criptomoedas, é fácil imaginar mais críticas quando se trata de ICOs muito menores e menos conhecidas.

Para ser justo, o Grupo Satis não deixou sua metodologia bem clara. Nós não sabemos se a empresa apenas procurou rumores de fraudes para tirar suas conclusões.

No entanto, o The Wall Street Journal conduziu seu próprio estudo há algum tempo e descobriu que cerca de um quinto das ICOs são fraudes. Sua definição e tamanho da amostra, por outro lado, foram muito melhor definidos nas conclusões da publicação e fomos capazes de concluir se isso realmente satisfaz os critérios.

Deixe um comentário