90% da mineração de Bitcoin vem de energia suja

90% da mineração de Bitcoin vem de energia suja

De acordo com o prefeito de Miami, Francis Suarez, a maior parte do Bitcoin (BTC) é extraída fora dos Estados Unidos usando “energia suja”.

Suarez discutiu as implicações ambientais da mineração de Bitcoin em um episódio do podcast não confirmado com a jornalista de criptomoeda Laura Shin. O prefeito disse que os EUA deveriam minerar mais Bitcoin por razões de segurança nacional. Suarez afirmou:

“Parte do problema com o Bitcoin é que 90% dele não é feito nos Estados Unidos. 90% disso é feito em países que têm energia suja. Então é por isso que é considerada uma atividade suja.”

O funcionário argumentou que os EUA iriam melhorar esta situação, repassando seu fornecimento de energia limpa e renovável para centros de mineração e data centers de Bitcoin. Suarez acrescentou:

“Temos energia nuclear, então temos energia limpa. Um suprimento de energia limpa que é essencialmente ilimitado.”

Miami poderia estabelecer um centro de mineração de Bitcoin como parte dessa meta de segurança nacional/conservação ambiental, disse Suarez, explicando:

“Seria para beneficiar a comunidade criptográfica se fizéssemos mais mineração nos EUA, porque produzimos energia limpa, então isso mudaria essa narrativa e essa dinâmica e no futuro você verá a energia solar e outros tipos de tecnologia limpa. Na minha opinião, a tecnologia vai tornar a mineração de Bitcoin mais eficiente.”

Suarez é conhecido como um grande defensor da indústria de criptomoedas nos EUA, apoiando várias iniciativas de criptomoedas em Miami, incluindo propostas que permitem aos residentes de Miami pagar impostos e receber salários em Bitcoin.

A taxa de consumo de energia do Bitcoin tem crescido maciçamente este ano em meio ao Bitcoin atingindo novos níveis históricos de preços, renovando os argumentos sobre as questões ambientais da criptomoeda. Em meados de março, os analistas do Bank of America argumentaram que o Bitcoin é um ativo ambientalmente desastroso, alegando que a pegada de carbono de possuir um BTC é equivalente a possuir 60 carros.

De acordo com dados do Índice de Consumo de Energia de Bitcoin da Digiconomist, a taxa de consumo de energia do Bitcoin atingiu outra alta histórica em 28 de março, com o consumo anual anestesiado atingindo 89,9 TWh.

Veja mais em: Criptomoedas | Mineração | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *