Acordo não será possível no caso SEC vs Ripple

Acordo não será possível no caso SEC vs Ripple

A mudança da guarda na Securities and Exchange Commission dos Estados Unidos parece ter afetado qualquer possível acordo pré-julgamento no caso da SEC contra Ripple.

Esta conclusão foi parte de uma carta de descoberta conjunta apresentada na perante a juíza Analisa Torres do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul de Nova York.

Comentando sobre as perspectivas de um acordo pré-julgamento, a carta diz:

“Os advogados das partes se reuniram e conferenciaram e, tendo discutido anteriormente um acordo, não acredito que haja uma perspectiva de acordo neste momento. No entanto, as partes notificarão imediatamente o Tribunal se qualquer acordo de princípio for alcançado quanto a qualquer Réu.”

Além das questões relativas a um possível acordo, a carta também inclui acordos entre ambas as partes para a conclusão do processo de descoberta o mais tardar em 16 de agosto.

A carta de descoberta também incluiu planos da SEC para buscar um pool de deposição expandido além dos 10 prescritos pela lei federal. De acordo com a carta, a comissão está interessada em dois memorandos recebidos por Ripple e o co-fundador Chris Larsen, supostamente contendo avisos de que o XRP poderia ser considerado um contrato de investimento.

O caso começará com uma conferência virtual pré-julgamento marcada para 22 de fevereiro.

Em dezembro de 2020, a SEC processou a Ripple por violar os regulamentos de títulos na venda de tokens XRP. A ação levou ao fechamento de várias exchanges de criptomoedas com base nos Estados Unidos ou suspensão da negociação de tokens XRP em suas plataformas.

As empresas de investimento também liquidaram suas participações em XRP na sequência da ação de fiscalização da SEC. Enquanto isso, a Ripple gastou US$690.000, o máximo de qualquer empresa de criptomoedas dos EUA, em esforços de lobby no país durante 2020.

Os problemas legais de Ripple não se limitam apenas à SEC, já que a empresa também está sujeita a vários processos de ação coletiva de investidores lesados, todos acusando a empresa de violar a lei de valores mobiliários.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *