Alemanha utilizará blockchain em favor da transição energética do país

A Alemanha precisa da tecnologia blockchain para colocar sua transição energética de volta aos trilhos, escreve o professor de gerenciamento de energia Jens Strüker.

As leis que permitem que a transição energética da Alemanha se beneficie da era digital claramente deixaram a desejar até o momento. Não há dúvidas sobre o estado da infraestrutura digital do setor de energia em 2018, diz um relatório de monitoramento encomendado pelo Ministério da Economia da Alemanha. “Ainda está rodando analógico”. O que é surpreendente é que a Alemanha tem um excelente ponto de partida quando se trata de tecnologia blockchain, potencialmente uma das inovações digitais mais substanciais nos últimos anos.A Blockchain promete mover decisivamente a Internet, permitindo que os usuários mantenham o controle dos dados compartilhados. Ele permite que o pagamento e as exchanges de serviço ocorram simultaneamente sem quaisquer intermediários. Com a participação financeira dos usuários nas redes, uma poderosa controvérsia para as plataformas de internet dominantes pelo mercado que está surgindo.

Para o sistema de energia, blockchain fornece novos graus decisivos de liberdade para a interação de redes e mercados de energia. Felizmente, no setor de energia, a Alemanha se tornou um hotspot de blockchain global. Posicionar a tecnologia Blockchain como ponta de lança de uma transição energética digital é um positivo geral para a Alemanha. No entanto, as regulamentações e a escassez de mão-de-obra estão cada vez mais ameaçando interromper essa iniciativa, o que significa que a vantagem competitiva do país pode evaporar rapidamente no ar.

Em vez de esperar por reformas abrangentes nas redes e no mercado, a estrutura regulatória deve primeiro ser não burocrática, cronológica e flexível dentro dos limites locais. Dispositivos e ferramentas, como o conceito de pesquisa de laboratório vivo mencionado no acordo de aliança, podem fornecer informações importantes sobre o desenvolvimento da regulamentação do mercado de energia digital.

Um segundo obstáculo ao desenvolvimento é a falta de funcionários qualificados. Pequenos e grandes fornecedores de energia não podem esperar por graduados universitários com know-how de blockchain; em vez disso, eles devem começar gradualmente a educar seus funcionários agora.

O Vale do Silício reconheceu o potencial do blockchain como um fator de mudança relativamente tardio no jogo. Enquanto isso, está se recuperando em ritmo acelerado, com grandes empresas de capital de risco investindo deliberadamente em startups que atrairão mais desenvolvimento. A Alemanha está perdendo uma cultura de capital de risco comparável. Até a China está desenvolvendo centros de blockchain direcionados.

Agora temos um ou dois anos, no máximo, para definir o rumo certo. A política precisa usar medidas bem focadas e econômicas, como facilitar o conceito de laboratório vivo e uma ofensiva de educação digital, de modo a não jogar fora essa posição vantajosa de partida com a tecnologia blockchain.

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.