Banco Santander fala sobre utilização do DLT nas finanças

Banco Santander fala sobre utilização do DLT nas finanças

John Whelan, chefe do laboratório de blockchain do Banco Santander em Madrid, recentemente elogiou o potencial para uma maior adoção de tecnologia de contabilidade descentralizada nas finanças convencionais.

Falando durante um webinar organizado pela Fintech, Surge and the Future Blockchain Summit, Whelan comentou:

“Eu poderia imaginar um futuro em que houvesse uma rede de liquidação global para uma classe de ativos de títulos que opera em uma camada dois totalmente controlada, privada e autorizada em cima de uma rede pública de blockchain.”

Embora reconheça que as atuais redes públicas de blockchain podem não ser otimizadas para transações de alta frequência, Whelan destacou sua adequação para acordos na arena de serviços financeiros. Whelan afirmou:

“A liquidação não é algo que precisa acontecer instantaneamente. Normalmente no mercado financeiro, a liquidação é D+5 – concordamos em uma negociação e esperamos cinco dias pela liquidação.”

Para Whelan, as partes interessadas no setor de serviços financeiros veem um potencial significativo na redução da taxa de transferência de liquidação por meio de redes de blockchain.

O chefe de ativos digitais do Banco Santander também afirmou que a utilização de DLT em finanças convencionais precisa chegar a um ponto onde ERC-20, ou qualquer outro padrão de token baseado em blockchain, se torne adequado para uso no que Whelan chamou de “DeFi regulamentado” ou “reg-DeFi”.

No início de abril, Rune Christensen, CEO da MakerDAO, unicórnio financeiro descentralizado, afirmou que o DeFi exigirá clareza regulatória para passar de sua atual fase de bolha isolada em direção a uma interface mais significativa com o setor financeiro convencional.

Whelan também mencionou o recente comunicado de que o Banco Santander foi uma das três instituições financeiras selecionadas pelo Banco Europeu de Investimento para emitir um título digital de 100 milhões de euros (US$120 milhões) com prazo de dois anos. De acordo com o executivo do banco, o registro legal de propriedade é domiciliado inteiramente na blockchain pública Ethereum.

O Societe Generale, um dos outros bancos escolhidos para a emissão de títulos digitais pelo BEI, também emitiu recentemente um token de segurança no blockchain de Tezos.

Veja mais em: Blockchain | Notícias

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *