Banir o Bitcoin é como rejeitar o dólar americano

Banir o Bitcoin é como rejeitar o dólar americano

A proibição das criptomoedas — principalmente Bitcoin — na Índia teriam graves implicações para o futuro da economia do país e resultaria na desvalorização da moeda “da pior forma”, de acordo com o empresário da blockchain e CEO da HashCash, Raj Chowdhury.

Chowdhury, também diretor administrativo da exchange de criptomoedas PayBito, com sede nos Estados Unidos, disse que a rejeição do Bitcoin (BTC) e de outras criptomoedas pela Índia seria o equivalente a rejeitar o dólar americano. Sem regulamentar e eventualmente adotar a criptomoeda como moeda de reserva, Chowdhury acredita que a economia da Índia sofrerá no longo prazo.

“Manter as reservas de criptomoedas é tão importante quanto manter as reservas em dólares. Ao banir as criptomoedas, a Índia acabará com a menor reserva da moeda mais importante que o mundo já viu. Isso acabaria por levar a uma desvalorização da moeda da pior forma.”

O destino das criptomoedas na Índia parecia ameaçador depois que um oficial anônimo vazou informações sobre a proibição iminente em fevereiro. Esperava-se que os detentores de criptomoedas tivessem uma janela de três a seis meses para transferir seus fundos de volta.

No entanto, comentários recentes vindos do Ministério das Finanças indiano sugeriram que a situação não era tão clara. A ministra das Finanças, Nirmala Sitharaman, disse que os relatórios sobre uma proibição geral de criptomoedas foram exagerados e que as discussões estavam em andamento com os reguladores dentro do Reserve Bank of India. Sitharaman acrescentou que quaisquer regulamentos futuros não seriam tão severos como descrito anteriormente.

A Chowdhury aceita os regulamentos e a tributação de criptomoedas — principalmente Bitcoin — se isso significar que negócios e empreendimentos relacionados possam florescer no país. A alternativa é privar as startups indianas que já conquistaram uma posição global da oportunidade de crescer, disse Chowdhury. Acrescentando:

“O que a Índia precisa é a aceitação de criptomoedas com a imposição de impostos e regulamentações, que gerará receita e beneficiará o grande número de investidores e empresas iniciantes indianas que se tornaram globais em um curto período, em vez de privar as pessoas de sua escolha de investimento adotando uma abordagem ingênua em relação às criptomoedas.”

Enquanto isso, o Reserve Bank of India continua avançando em direção à emissão de uma moeda digital para o Banco Central. Como acontece com todos os estados, a aparente determinação da Índia em lançar uma Rupia digital baseada em blockchain sugere que seus problemas com a criptomoeda não estão relacionados à tecnologia subjacente, mas apenas a quem pode controlá-la.

Chowdhury acredita que uma abordagem medida pode ser adotada para distinguir entre blockchain como uma tecnologia e criptomoeda como uma classe de ativos. Ele disse:

“São dois fios distintos e diversos que podem ser aceitos independentemente um do outro. Enquanto o blockchain é uma tecnologia, a criptomoeda é uma classe de ativos. Não deve ser difícil implementar os dois em seus respectivos domínios.”

Apesar do que muitos temem ser uma bomba-relógio regulatória na Índia, a exchange global de criptomoedas, Coinbase, anunciou recentemente que mudaria alguns de seus serviços de TI para a Índia, à medida que a empresa se aproxima de seu próximo IPO.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *