Bitcoin escolheu descentralização e imutabilidade

Bitcoin escolheu descentralização e imutabilidade

Atualmente, “o Bitcoin falhou como meio de pagamento” é uma das críticas predominantes ao Bitcoin (BTC) que a Fidelity Digital Assets está tentando refutar. Em uma publicação no blog, a empresa recebeu seis críticas “persistentes”, incluindo a volatilidade do Bitcoin, desperdício ambiental e uso em atividades ilícitas.

Em relação ao suposto fracasso da moeda como meio de pagamento para transações cotidianas, o argumento de Fidelity é que essa crítica falha em entender o propósito central do Bitcoin. A moeda é superada, a Fidelity aceita, por sistemas de pagamento convencionais como Visa, Mastercard e PayPal, todos os quais podem oferecer maior rendimento. No entanto, o Bitcoin foi projetado com outras prioridades em mente, incluindo a “escassez perfeita”. Fidelity acrescenta:

“O Bitcoin faz concessões deliberadas, como capacidade limitada e cara, para oferecer propriedades essenciais, como descentralização e imutabilidade. Dadas suas altas garantias de liquidação, o Bitcoin otimiza sua capacidade limitada para liquidar transações que não são bem atendidas por trilhos tradicionais.”

Embora a moeda seja, em teoria, viável como ferramenta de pagamento, suas limitações significam que o uso diário não é necessariamente o objetivo final do ativo. Além da volatilidade do preço, a definição de imposto do Bitcoin como propriedade em algumas jurisdições – o que significa que os usuários têm que calcular ganhos e perdas para cada pagamento ou compra em Bitcoin – o torna impraticável para muitos pagamentos.

A Fidelity afirma que os usuários devem estar cientes de que o desenho da moeda priorizou aspectos como descentralização, abastecimento finito e liquidação imutável. Estes devem ser avaliados em seus próprios termos, com a aceitação de que eles apresentam desvantagens nas transações diárias.

Em relação aos pagamentos, a Fidelity enfrenta a crítica de que a extrema volatilidade do Bitcoin compromete seu uso como reserva de valor. Aqui, a Fidelity novamente reformula os termos da crítica, alegando que a volatilidade é o preço pago por um mercado resistente à intervenção:

“Nenhum banco central ou governo pode intervir para apoiar ou sustentar os mercados e controlar artificialmente a volatilidade. A volatilidade do Bitcoin é uma compensação para um mercado sem distorção. A descoberta do preço real acompanhada pela volatilidade pode ser preferível à estabilidade artificial se resultar em mercados distorcidos que podem quebrar sem intervenção.”

Fidelity fornece argumentos adicionais detalhados em torno da volatilidade também, relacionando-a com a “oferta perfeitamente inelástica” do ativo. Ademais, as quatro últimas críticas abordadas na publicação do blog são desperdício ambiental, o uso do Bitcoin para atividades ilícitas, o ativo “não ser apoiado por nada” e seu potencial de ultrapassagem por um concorrente.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.