CEO da Mastercard: Bitcoin não é bom para quem não tem banco

CEO da Mastercard: Bitcoin não é bom para quem não tem banco

O CEO da Mastercard, Ajay Banga, disse durante a conferência Fortune Global Forum que o Bitcoin não pode funcionar como uma moeda inclusiva para quem não tem banco devido à sua volatilidade. Ele também citou a falta de conhecimento sobre quem está por trás da criptomoeda. Banga disse:

“Não acredito na volatilidade ou, por falar nisso, na ausência de transparência sobre quem é a pessoa que está envolvida com aquela moeda. Então, é por isso que nas moedas digitais do banco central, acreditamos.”

Banga também revelou que a Mastercard tem uma biblioteca significativa de patentes relacionadas aos CBDCs, o que pode ajudar a explicar por que ele é tão positivo em relação a eles.

Questionado sobre o Bitcoin (BTC) como uma solução potencial para inclusão financeira, Banga afirmou que a criptomoeda não cumpre os requisitos para quem não tem banco, usando um exemplo estranho sobre garrafas de Coca para ilustrar sua volatilidade de preço:

“Você pode imaginar alguém que está financeiramente excluído negociando para ser incluído por meio de uma moeda que pode custar o equivalente a duas garrafas de Coca-Cola hoje e 21 amanhã? Essa não é uma maneira de obtê-las. Essa não é uma maneira de torná-los com medo do sistema financeiro.”

Ele acredita que, se as moedas fiduciárias se tornassem digitais, elas “ajudariam nos fluxos comerciais internacionais”, no entanto, ele acrescentou que “a inclusão financeira para os indivíduos é uma coisa muito diferente”.

Além disso, Banga manteve uma forte visão contra a opacidade das criptomoedas durante anos, chamando qualquer criptomoeda não governamental de lixo em 2017, e até mesmo comparando-as a “cobras” em 2018, dizendo que elas não “merecem” ser consideradas um meio para troca.

No entanto, a Mastercard declarou publicamente que está aberta a moedas digitais emitidas pelo estado.

Em 2019, a Mastercard parecia estar assumindo uma postura mais aberta em relação às criptomoedas por ser um dos membros fundadores do projeto Libra do Facebook. Mas em outubro do ano passado, o provedor de pagamento deixou o projeto junto com Visa, Stripe e Paypal, citando a falta de transparência entre os principais motivos para sua saída.

O CEO acrescentou:

“A Mastercard investiu uma quantidade considerável de dinheiro em CBDCs. Hoje, somos um dos maiores detentores de patentes no espaço de moedas digitais do banco central.”

O sandbox CBDC lançado em setembro deste ano pela Mastercard, afirmou Banga, permite que bancos centrais e bancos comerciais explorem CBDCs juntos para casos de uso como “fluxos de transações internacionais”. A ferramenta simula vários tipos de ambientes de transação para permitir que os bancos centrais avaliem os casos de uso do CBDC. Ainda não está claro quais bancos estão usando a ferramenta.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário