Como os criminosos podem manipular os mercados de criptomoedas?

Criptomoedas como bitcoin são baseadas em sistemas que devem ser inerentemente protegidos contra fraudes. No entanto, o Departamento de Justiça dos EUA abriu uma investigação criminal sobre a manipulação dos preços do bitcoin. Como esse tipo de atividade é possível?

Desde a pesquisa de blockchain e criptomoedas nos últimos três anos, sei que os sistemas blockchain possuem alguns recursos de segurança imutáveis. Por exemplo, se eu lhe enviasse uma certa quantia de bitcoin e essa transação fosse registrada no livro-caixa de blockchain, eu não poderia forçar o sistema a devolver esse dinheiro. A tecnologia em si impede que a transação seja revertida.

Mas isso só é verdade se as transações ocorrerem no sistema. E há outros elementos de tecnologias de criptomoeda que tornam a fraude mais fácil.

Alguns dos problemas que o Departamento de Justiça está investigando parecem ter surgido porque os entusiastas do bitcoin não estão tratando as criptomoedas como meio de pagamento como o dólar. Em vez disso, eles estão se comportando como se os bitcoins e seus semelhantes fossem ativos especulativos, como ações e títulos. Então, eles estão fazendo pedidos para comprar bitcoin com antecedência, só depois concluindo o negócio. Um tipo de investigador de fraudes que está investigando é chamado de “spoofing”, em que as pessoas fazem pedidos, mas os cancelam antes que o negócio seja finalizado, muitas vezes sem ter que pagar uma taxa de serviço. Isso faz parecer que há mais demanda por bitcoins do que realmente existe, elevando o valor de cada bitcoin.Esse tipo de manipulação é possível com quase qualquer tipo de ativo. O Bitcoin é mais suscetível que ações ou títulos, porque poucas pessoas detêm grandes quantidades de bitcoin. As maiores contas de 1.000 bitcoins detêm 40% de todos os bitcoins existentes, com quase 20% em apenas 100 contas.

Muitas das pessoas que possuem grandes quantidades de bitcoin estão na comunidade de criptomoedas há vários anos e se conhecem. Eles podem tomar ações coordenadas para aumentar ou diminuir os preços, e, como não há regulamentação real dos mercados de criptomoedas, pode até não ser ilegal fazê-lo.

Há menos proteções para o comércio de criptomoedas, em parte porque é muito novo. Por exemplo, uma alta volatilidade nos preços das ações provocaria “disjuntores” nos EUA, interrompendo as negociações e redefinindo os preços para limitar as perdas dos investidores. Os mercados de criptomoeda não possuem mecanismos embutidos.

Outro tipo de fraude que o Departamento de Justiça está investigando é chamado de “negociação de lavagem”, em que uma pessoa configura o que parece ser um acordo legítimo de compra e venda, mas na verdade faz o acordo consigo mesmo. Isso faz parecer que há mais atividade no mercado do que realmente existe, aumentando artificialmente a demanda e o valor.

A grande maioria do comércio de criptomoedas, no entanto, acontece em países com poucos regulamentos e fiscalização frouxa. Por exemplo, do início de 2014 até o início de 2017, cerca de 90% do comércio global de bitcoins ocorreu por meio de exchanges de criptomoedas chinesas. Pelo menos algumas dessas empresas supostamente inflaram falsamente volumes de negociação para atrair novos clientes. Desde então, a China baniu o comércio de criptomoedas online, mas as pessoas estão encontrando brechas.

Os problemas provavelmente mudarão para outros países que não têm regras fortes, o que destaca a importância da cooperação internacional nas investigações. Criptomoedas são um fenômeno global; as nações do mundo, especialmente aqueles com muita atividade comercial terão que trabalhar juntos para proteger os consumidores.

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.