Criptomoeda e futebol: o futuro ou muito volátil para ser confiável?

Um time de futebol está fazendo história em Gibraltar. Desta vez não é a equipa nacional que sofre um número exorbitante de gols (124 na última contagem em quatro anos e meio) ou o Lincoln Red Imps a bater o Celtic na Liga dos Campeões. Nem sequer aconteceu no relvado artificial do icónico terreno nacional, o Victoria Stadium. Em vez disso, a Premier Division Gibraltar United se destacou ao se tornar o primeiro time de futebol do mundo a introduzir a criptomoeda.

Através de seu dono, Pablo Dana, um investidor na criptomoeda Quantocoin, o clube iniciou uma parceria de patrocínio. Dana diz que todos os contratos de jogadores incluirão acordos de pagamento em criptomoeda até a próxima temporada.

Alguns podem ver isso como um ponto de entrada aleatório para a criptomoeda no futebol, em uma equipe semiprofissional em uma liga que se tornou certificada pela Uefa apenas em 2013.

Observe mais de perto e fará todo o sentido

O setor financeiro de Gibraltar está liderando a cobrança em fintech (inovação tecnológica no setor financeiro) e o blockchain (o banco de dados público que mantém um registro permanente de transações digitais em criptomoedas).

Em janeiro de 2018, Gibraltar introduziu regulamentações para as empresas que usam o blockchain e o governo está pronto para lançar o primeiro arcabouço legal do mundo para ofertas iniciais de moedas (ICOs), que permite o lançamento de moedas digitais como bitcoin no blockchain.Esta estratégia mostra que o Rock está um passo à frente, à medida que os serviços financeiros em todo o mundo têm fracassado ao abordar o aumento estratosférico e ainda não regulado da criptomoeda. No ano passado, o investimento mundial em ICOs atingiu US$ 3,7 bilhões, acima dos US$ 102 milhões em 2016, e a criptomoeda mais conhecida, Bitcoin, aumentou em valor em mais de 900%.

Com grandes aumentos também vêm grandes quedas

As criptomoedas têm visto fortes quedas de valor no início de 2018 por causa da relutância dos órgãos governamentais em legitimar a indústria, bem como do Facebook e do Twitter que proíbem formas de publicidade em criptomoedas. Em junho, o Coinrail, uma exchange de criptomoeda sul-coreana, foi invadido, o que provocou uma forte queda nos preços. As dificuldades que surgem dessa instabilidade, como a falta de confiança dos varejistas e das empresas, significam que as criptomoedas continuam sendo investimentos estimulantes que, em muitos casos, não podem tornar-se inteiramente uma renda disponível tangível.

Ao regulamentar a indústria, Gibraltar está tentando trazer transparência e legitimidade para o comércio das moedas digitais. Dana, que nasceu na Itália, diz que uma preocupação semelhante com a transparência levou à introdução da criptomoeda no Gibraltar United FC, dizendo que a natureza de acesso aberto do blockchain poderia minimizar os escândalos de corrupção que assolam o futebol. Ele deu ao seu pequeno clube uma solução para pagar jogadores estrangeiros que não podem facilmente criar contas bancárias em Gibraltar.

Dana diz que Gibraltar oferece o ambiente perfeito: “Foi o primeiro [lugar que] regulamentou as empresas de apostas 20 anos atrás, quando todos as viam como horríveis. Eles colocaram os regulamentos de conformidade e contra lavagem de dinheiro e criaram uma plataforma, eles têm a inteligência para fazer o mesmo com criptomoedas ”.

A comparação é interessante. Ame ou deteste, o jogo tornou-se uma característica da cobertura do futebol, ganhando milhões de libras em receitas publicitárias, na temporada mais recente, nove equipes da Premier League apostaram as empresas como principais patrocinadoras.

Em janeiro, o Arsenal mostrou o potencial do blockchain, tornando-se o primeiro grande clube de futebol a assinar um acordo de patrocínio com uma criptomoeda, CashBet.

Além de vantagens como conformidade e pagamento final em caixa, as transferências blockchain são praticamente isentas de taxas ou impostos e são imediatas. A London Football Exchange (LFE) diz que esses custos mais baixos oferecem uma oportunidade de envolver os fãs de novas maneiras. Seu chefe de parcerias, Danny Stroud, diz que a LFE quer criar uma comunidade de futebol baseada em token, para “permitir que os clubes tenham uma conexão direta com os fãs em um mercado sem atritos”.

A LFE tem acordos com o clube italiano Bari e com a Alcobendas, sediada em Madri, para introduzir a criptomoeda da exchange às estruturas de seus clubes. Esses acordos planejam reduzir o preço dos ingressos e das mercadorias e oferecer aos fãs a oportunidade de comprar participações em clubes, todos usando criptomoedas, transformando assim o comércio de moedas digitais em experiências de fãs.

A ascensão da criptomoeda não é diferente da cultura “fique rico rápido” vista no futebol.

Está fazendo milionários noturnos de investidores comuns e sortudos. Os futebolistas do passado e do presente estão mergulhando: Lionel Messi, Michael Owen, Roberto Carlos e Luís Figo possuem parcerias com empresas relacionadas ao blockchain.

O resto do mundo do futebol está notando claramente, com clubes menores liderando o caminho. Em janeiro, o time turco amador Harunustaspor, que disputa o primeiro grupo do Sakrya Group B, tornou-se o primeiro clube a contratar um jogador usando criptomoeda, pagando para Omer Faruk Kiroglu. Embora ainda em pequena escala, o movimento confirma o potencial do blockchain.

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.