“Essa é a coisa estúpida” diz bilionário sobre proibições da Índia ao Bitcoin

O capitalista de risco bilionário Tim Draper, que é um dos primeiros investidores na Internet, está decepcionado, dessa vez, em relação à Índia, em parte por causa da campanha anticorrupção do primeiro-ministro Narendra Modi.

Fã do bitcoin de longa data, Draper acredita que a Índia poderia se beneficiar muito de criptomoedas e blockchain, pois permitiria que o governo se tornasse mais transparente e eficiente.

“Se eu tivesse uma reunião com Modi, eu mostraria para ele, que ele está cometendo um grande erro. o [Bitcoin] deve ser a moeda nacional”, disse Draper.

A aversão da Índia às moedas virtuais foi comunicada pela primeira vez em dezembro de 2013, quando o banco central emitiu algumas palavras de cautela.

Mas na quinta-feira, o Banco da Reserva da Índia proibiu todas as firmas financeiras de negociar ou fornecer serviços a quaisquer pessoas físicas ou jurídicas que lidassem com moedas virtuais ou liquidassem moedas virtuais.

Autoridades do alto escalão do governo, incluindo o ministro das Finanças, Arun Jaitley, expressaram sua forte antipatia pelas moedas virtuais.

A postura dura da Índia sobre as criptomoedas afetou a popularidade do bitcoin no país.

Ethereum liderou a busca por criptomoeda na Índia, comandando uma participação de 34,6 por cento nas pesquisas de moeda em geral em comparação com cerca de 30 por cento de participação acumulada pelo Bitcoin, revelou uma nova pesquisa.

“Essa é a coisa mais estúpida”, disse Draper sobre a decisão do governo indiano de declarar criptomoedas como propostas inválidas.

“Bitcoin e blockchain são as melhores coisas que aconteceram para os negócios. Onde quer que os países tenham aceitado, eles se tornaram grandes beneficiários”.

Draper comprou quase 30.000 bitcoins em 2014, quando o governo dos EUA leiloou as moedas virtuais apreendidas do site da deepweb, Silk Road, que trabalhava como um mercado online de produtos ilegais. Desde então, a Draper fez mais 40 investimentos em moedas digitais.

O bilionário tem sido um grande apoiador de startups de blockchain. Ele investiu na venda simbólica de US$ 232 milhões da Tezos em julho do ano passado e detém uma participação minoritária na empresa que controla o código da Tezos, a Distributed Ledger Solutions.

O formidável investidor do Vale do Silício acredita que os países devem promover o empreendedorismo no espaço da criptomoeda, já que isso ajudará a atrair os melhores engenheiros e programadores do mundo, ou então eles acabarão perdendo o seu melhor e mais brilhante para outras regiões.

Ele aconselha as empresas de blockchain e criptomoedas a mudarem a base para países onde as ofertas iniciais de moedas são permitidas.

“Se as autoridades locais estão banindo as moedas digitais, as empresas no espaço devem mudar para outro lugar. O governo precisa perceber que está sufocando a inovação e deveria criar um ambiente onde essas ideias possam ser testadas e promovidas”, finalizou Draper.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário