Estado Americano avalia aceitar Bitcoin para doações políticas

Um caso de uso emergente de ativos digitais é aceitar doações de campanha e contribuições políticas na forma de bitcoin ou outras criptomoedas. Enquanto as autoridades estão certamente dando um pensamento; duas questões fundamentais impedem o desenvolvimento.

O Bitcoin e todas as outras criptomoedas parecem enfrentar alguns problemas quando se trata de pagamentos ou de qualquer aplicação no mundo real. As duas críticas amplamente divulgadas são o anonimato da fonte e sua notória volatilidade.

Durante uma audiência no Estado de Wisconsin em 24 de abril, o assunto de fazer doações usando bitcoin e outras criptomoedas foi apresentado à Comissão de Ética. Phil Anderson pediu a concessão de doações de criptomoedas, devido à crescente adoção feita por elas na sociedade.

Sendo o presidente do Partido Libertário de Wisconsin, Anderson está concorrendo a governador e é um firme defensor do uso do bitcoin em assuntos políticos.

“Há pessoas que querem usá-lo como dinheiro para contribuições” disse o político.

Anderson sugere um procedimento usado anteriormente, torná-lo um mandato necessário, ou seja, exigido pela política do Estado, para converter as doações de bitcoin em dólares devidamente registrados imediatamente. No entanto, o comitê de Wisconsin expressou duas questões, muito semelhantes aos problemas genéricos enfrentados pelo bitcoin.

O método tradicional de doações de campanha por meio de cheque ou cartões de crédito permite que as autoridades rastreiem sua origem e aprendam sobre a identidade do doador. No entanto, o famoso pseudonimato do bitcoin torna isso impossível, e acrescentar isso é a inerente falta de confiança que o governo e outros órgãos reguladores depositam nas criptomoedas.

O anonimato da fonte não é o único obstáculo. De todas as moedas digitais existentes, o bitcoin é famoso por sua volatilidade. De seu pico perto de US$ 20.000 em dezembro de 2017 para US$ 6.600 em janeiro de 2018, o bitcoin como método de doação torna-se difícil de analisar.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário