Facebook pode lançar sua criptomoeda até o final deste ano

O Facebook, a Telegram e a Signal, três das maiores empresas de mensagens instantâneas, disseram que estão trabalhando em suas próprias moedas digitais, que permitirão pagamentos peer-to-peer em suas redes.

Nenhuma declaração oficial foi divulgada pelo Facebook, no entanto, de acordo com um relatório do New York Times na quinta-feira, fontes familiarizadas com os projetos secretos dizem que a empresa trará sua própria moeda para o mercado até o fim de 2019.

Segundo relatos, o projeto está longe o suficiente ao longo de seu desenvolvimento, que conversas com exchanges de criptomoedas já estão em andamento, com a perspectiva de as moedas serem vendidas a clientes fora da rede imediata do Facebook.

Os detalhes são escassos, mas é provável que o projeto se baseie em sistemas peer-to-peer já existentes para os serviços WhatsApp na Índia, onde os residentes podem transferir as moedas obtidas no exterior para suas famílias em casa, que já deve receber um sistema de token digita.

O objetivo será permitir que os usuários enviem “moedas do Facebook” para outros usuários na plataforma, como um presente para amigos ou como pagamento por serviços, de acordo com o relatório do NYT. A empresa de Mark Zuckerberg teria atribuído 50 engenheiros ao projeto, liderado pelo ex-presidente do PayPal, David Marcus.

A Signal e a Telegram também estão desenvolvendo suas próprias criptomoedas, todas com o objetivo de entrar em um mercado altamente lucrativo. A plataforma americana Venmo, uma plataforma de propriedade do PayPal que permite que usuários enviem dinheiro para amigos por meio de um aplicativo para dispositivos móveis, alcançou grande sucesso nos últimos anos, gerenciando US$ 12 bilhões em transações somente em 2018.

O anúncio da Telegram no ano passado de que estaria lançando uma rodada de financiamento para seu token digital, conhecida como uma oferta inicial de moedas, resultou em US$ 1,7 bilhão de investimento.

Se o Facebook de fato estiver trabalhando em tal token, o movimento traria criptomoedas para um público coletivo em potencial de 2,27 bilhões de usuários mensais ativos, diminuindo significativamente o público de patrocinadores que primeiro fizeram do Bitcoin um sucesso.

No entanto, o token do Facebook quase certamente seria lançado como uma moeda estável. Ao contrário do Bitcoin, que é descentralizado, moedas estáveis ​​são tipicamente atreladas à moeda fiduciária, que mantém seu preço fixo – de fato, aqueles que estão familiarizados com o projeto dizem que o Facebook está olhando para várias moedas diferentes para suportar a moeda.

As moedas estáveis ​​são normalmente imunes às violentas flutuações de preços associadas ao mercado mais amplo e, como resultado, tendem a atrair menos investidores que buscam obter lucro rápido.

O que não está claro é quanto controle o Facebook terá sobre sua rede de pagamentos. Os relatórios sugerem que as três empresas estão considerando uma blockchain descentralizada como sua infraestrutura subjacente, mas isso significaria que as moedas operariam efetivamente de forma independente de suas controladoras.

Facebook pode lançar sua criptomoeda até o final deste ano.

A alternativa é criar algo parecido com o PayPal, que usa um blockchain centralizado e privado e daria ao Facebook controle total sobre cada transação. No entanto, se acreditarmos no relatório do NYT e o Facebook já tiver abordado as exchanges de criptomoedas sobre a possível venda do token aos usuários, isso descartaria uma rede fechada.

No entanto, operar o token independentemente de sua controladora dificultaria a monetização; algo que não nos parece particularmente “semelhante ao Facebook”. Mesmo que deixemos de lado o ganho financeiro, esse conceito será bastante alheio à maioria da base de usuários do Facebook, e quase certamente exigirá supervisão pesada para garantir que seu lançamento seja feito sem incidentes. Para fazer isso, precisará de controle.

A decisão de entrar no mercado de tokens digitais faz sentido, dada a mudança geral para formas mais rápidas e convenientes de lidar com dinheiro, o que deu origem a empresas como Monzo e Revolut – empresas consideradas formas alternativas de serviços bancários tradicionais.

Um token digital, transferível pela rede do Facebook, tornaria muito mais fácil para os usuários transferir fundos entre amigos e familiares, especialmente em áreas do mundo que, de outra forma, não teriam acesso a um banco ou utilizariam serviços de pagamento on-line.

Novamente, dado o sigilo, só podemos especular sobre quando tal símbolo estaria pronto para o público em massa, mas os relatórios sugerem que poderíamos ver algo até o final do ano.

Traduzido e adaptado de : itpro.co.uk

Deixe um comentário