Fidelity Investments tenta listar novo fundo Bitcoin ETF

Fidelity Investments tenta listar novo fundo Bitcoin ETF

A Fidelity Investments, administradora de ativos de US$4,9 trilhões, entrou com uma papelada na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, ou SEC, para listar um novo fundo negociado em exchanges Bitcoin (BTC).

O Wise Origin Bitocin Trust foi apresentado à SEC, de acordo com uma Declaração de Registro do Formulário S-1 que apareceu no site do regulador. O ETF tem como objetivo acompanhar o desempenho diário da moeda digital usando o Fidelity Bitcoin Index PR, um índice que é derivado de vários feeds de preços. Do prospecto:

“O Trust fornece exposição direta ao bitcoin, e as Ações do Trust são avaliadas diariamente usando a mesma metodologia usada para calcular o Índice.”

O fundo é constituído em Delaware, com a Fidelity Digital Asset Services listada como custodiante.

A Fidelity diz que os investidores podem acessar o fundo por meio de uma conta de corretora tradicional, sem as “barreiras potenciais à entrada ou riscos envolvidos em manter ou transferir bitcoin diretamente”. Como outros ETFs de Bitcoin propostos, o Fidelity Trust se destina a fornecer mais caminhos institucionais para criptomoedas.

As especulações sobre um ETF Bitcoin dos EUA aumentaram desde a alta do mercado de 2017. Até agora, os legisladores da SEC rejeitaram todas as propostas para securitizar Bitcoin em um ETF devido a preocupações com extrema volatilidade e manipulação de preços. Os defensores da criptomoeda carro-chefe acreditam que a maré pode estar mudando agora que o Bitcoin amadureceu como uma classe de ativos.

Na semana passada, o Goldman Sachs entrou com um pedido de um novo ETF que inclui a opção de adicionar exposição BTC. As notas vinculadas ao ETF de cupom contingente autocallable “podem ter exposição a criptomoedas, como Bitcoin, indiretamente por meio de um investimento em um fundo de concessão”, dizia o prospecto.

Os reguladores canadenses aprovaram até agora dois ETFs Bitcoin. O ETF Purpose Bitcoin, lançado em meados de fevereiro, gerou US$100 milhões em volume durante as primeiras horas de negociação.

A Fidelity foi uma das primeiras grandes instituições a adotar as criptomoedas. A empresa começou a minerar Bitcoin e Ethereum (ETH) em 2014, mesmo ano em que Abigail Johnson se tornou presidente e CEO da empresa.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *