Gigante de mensagens japonesas lança exchange global de criptomoedas

Com taxas de negociação de 0,1%, Line diz que o BitBox será criptografado apenas para criptomoedas (sem pares fiduciários), com mais de 30 moedas digitais negociáveis, incluindo Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash e Litecoin. Os usuários-alvo do BitBox serão globais, diz a empresa, com suporte em 15 idiomas, embora contas do Japão e dos Estados Unidos não sejam aceitas.

A Line iniciou suas operações no Japão em abril de 2013 com sua parte central do negócio sendo um aplicativo de mensagens instantâneas que expande os serviços básicos de texto oferecidos por concorrentes como WhatsApp e Telegram, oferecendo recursos adicionais, incluindo adesivos, jogos sociais e vídeo-chamadas.

A Statista lista a Line como tendo 203 milhões de usuários ativos em todo o Japão, Tailândia, Taiwan e Indonésia, significativamente menos do que os principais concorrentes Facebook Messenger e Wechat. É, no entanto, líder em inovar a monetização de aplicativos de mensagens, com receita de US$ 1,61 bilhão em 2017, vendendo produtos como adesivos digitais sobre o serviço por meio de microtransações.

A principal percepção da Line veio durante o IPO de 2016 entre os EUA e o Japão, que arrecadou cerca de US $ 1,14 bilhão. Isso fez da Line o maior IPO dos Estados Unidos no primeiro semestre de 2016.A exchange de criptomoedas Bitbox será uma extensão do crescente ecossistema da Line. A empresa parece comprometida com a rápida expansão de seus serviços de blockchain e estabeleceu a Line Blockchain Lab em abril, dedicada à pesquisa e desenvolvimento de tecnologia blockchain, bem como ao desenvolvimento e fornecimento de serviços aplicados, para o mercado japonês.

Em abril, a empresa também criou a Unblock, subsidiária especializada em tecnologia blockchain, na Coréia do Sul.

O anúncio da Line de sua própria exchange de criptomoedas e o fato de os clientes japoneses não poderem usá-la vem na esteira da declaração da Agência de Serviços Financeiros (FSA) do Japão em 22 de junho, ordenando seis plataformas de câmbio de criptomoedas no Japão, incluindo bitFlyer e Bitbank, reformar suas práticas de negócios.

Isso fez com que as principais empresas relacionadas a criptomoedas no Japão revisassem seus sistemas de controle interno e reestruturassem as organizações de autorregulamentação do setor.

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.