Japão diz que CBDC não pode esperar

Japão diz que CBDC não pode esperar

O Japão está adotando uma abordagem comedida, mas atenta ao interesse global na emissão de moeda digital pelo banco central (CBDC). Em seus comentários mais recentes, o governador do Banco do Japão, Kuroda Haruhiko, observou que a instituição não mudou sua postura e ainda não tem um plano concreto para emitir um CBDC.

No entanto, esse não comprometimento não significa inatividade na frente de pesquisa e desenvolvimento do CBDC de forma alguma. Em outubro de 2020, o banco central do Japão se comprometeu a iniciar a primeira de várias fases de teste para sua própria prova de conceito do CBDC. Agora, Haruhiko confirmou que eles começarão nesta primavera.

O governador ressaltou que, de acordo com um relatório do Banco de Compensações Internacionais, 86% dos bancos centrais em todo o mundo estão explorando os benefícios e as desvantagens dos CBDCs. Destes, 60% já estão em um estágio de desenvolvimento experimental ou de prova de conceito. Haruhiko observou:

“Os bancos centrais compartilham a opinião de que não é uma resposta política apropriada começar a considerar o CBDC apenas quando surgir a necessidade de emitir o CBDC no futuro. Do ponto de vista de garantir a estabilidade e eficiência dos sistemas gerais de pagamento e liquidação, consideramos importante nos prepararmos completamente para responder às mudanças nas circunstâncias de maneira apropriada”.

Levando em consideração as mudanças significativas que estão em curso em uma sociedade cada vez mais digital, ele sinalizou que o banco está aproveitando a oportunidade para pesar cuidadosamente as várias abordagens para mudanças potenciais na provisão de dinheiro do banco central.

Haruhiko chegou a agrupar essas abordagens emergentes sob o tema “Banco Central como Serviço”. Em seu relato mais amplo dessas tendências, ele argumentou é uma tendência emergente em finanças de forma mais ampla, transposta de desenvolvimentos anteriores nas esferas corporativa e de software. Isso implica um movimento em direção à construção de modelos de negócios que dependem do fornecimento de serviços sob demanda do cliente, em vez de adotar uma abordagem de vendas tradicional centrada nos produtos.

“Tudo como serviço”, como observou Haruhiko, agora abrange fenômenos como mobilidade como serviço (compra de um serviço de mobilidade em vez de um carro) e infraestrutura como serviço, o que torna cada vez mais redundante para as empresas possuir determinado hardware. No âmbito das finanças, ele resumiu:

“Também há uma tendência recente de desagregação de serviços financeiros que as instituições financeiras costumavam fornecer de forma totalmente integrada, permitindo, assim, que serviços financeiros divididos em componentes sejam combinados com serviços de empresas não financeiras. Isso é conhecido como ‘Banking as a Service’ […] também conhecido como finanças embutidas.”

O Banco do Japão tem acompanhado de perto as inovações nas finanças públicas e privadas, cooperando com o Banco de Compensações Internacionais e cinco outros grandes bancos globais na pesquisa do CBDC desde janeiro de 2020 e dedicando atenção a questões como a disponibilidade offline quando se trata de suporte digital moeda.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *