Lavagem de dinheiro usando criptomoedas nos cartéis

Lavagem de dinheiro usando criptomoedas nos cartéis

As autoridades mexicanas relatam um aumento no uso de ativos criptográficos para lavagem de fundos por sindicatos criminosos na América Latina.

Em um relatório recente da Reuters, o chefe da unidade de inteligência financeira do ministério das finanças do México, Santiago Nieto, descreveu como os cartéis usam criptomoedas para lavar dinheiro obtido em atividades ilícitas.

Nieto afirma que os cartéis latinos normalmente depositam seus ganhos ilícitos em várias contas bancárias em quantias inferiores a US$7.500 – o limite que levaria os bancos a sinalizar uma transação. Os fundos são então usados ​​para fazer uma miríade de pequenas quantidades de Bitcoin (BTC), que podem ser transferidas sem atrito através das fronteiras.

Uma lei de 2018 determinou que as plataformas de criptomoedas registradas relatassem transferências superiores a 56.000 pesos mexicanos (aproximadamente US$2.800). As autoridades locais esperam que isso possa ajudá-los a responder ao uso de ativos digitais no crime organizado.

A prisão do traficante de seres humanos Ignacio Santoyo em 2019 foi atribuída à lei, com as autoridades identificando que Santoyo e sua irmã haviam adquirido mais de US$22.000 em BTC na exchange local Bitso.

Hector Ortiz, o acusado líder do sindicato mexicano de ciber-hackers Bandidos Revolution Team, foi detido de forma semelhante depois que a polícia identificou que ele gastou “dezenas de milhares de dólares” em BTC – isso deu aos investigadores motivos para rastrear suas localizações usando dados de telefone celular.

No entanto, Rolando Rosas, chefe da Unidade de Investigações Cibernéticas do procurador-geral mexicano, disse que a polícia não tem os recursos necessários para lidar com a lavagem de dinheiro alimentada por criptomoedas. Ele disse que a unidade tem 120 funcionários – cerca de um quarto do que é necessário – e tem dificuldade para acompanhar os 1.033 alertas de limite de Bitcoin que foram acionados nas plataformas de negociação registradas este ano.

Aproximadamente 98% das transações foram relatadas pela Volabit – uma exchange que opera no estado natal do Cartel da Nova Geração de Jalisco, Jalisco. O diretor geral da Volabit, Tomas Alvarez, disse:

“É um erro […] presumir que por serem os alertas gerados por uma empresa sediada em Jalisco, eles devam corresponder a moradores de Jalisco […] temos usuários de todo o país. Na verdade, a maioria dos relatórios não é de usuários que moram em Jalisco.”

Em janeiro, um relatório da Agência Antidrogas do Estado dos Estados Unidos observou uma queda nas apreensões de moeda forte de US$741 milhões em 2011 para US$234 milhões em 2019, sugerindo que as gangues do crime organizado estão agora usando ativos criptográficos para alimentar grande parte de suas atividades de lavagem de dinheiro.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *