Leis devem ser aplicadas também à blockchain

Blockchain mais rápida do mundo
Blockchain mais rápida do mundo? 30mil transações por segundo

Leis devem ser aplicadas também à blockchain diz relatório publicado pelo Gabinete de Inovação da bolsa de Valores de Hong Kong.

A Bolsa de Valores de Hong Kong (HKEX) propôs que as empresas de fintech, incluindo aquelas focadas em blockchain e criptomoedas, sejam melhor reguladas de acordo com os regulamentos financeiros existentes.

Em um relatório de pesquisa publicado em 18 de outubro, o Gabinete de Inovação da HKEX considerou o potencial da blockchain e da Inteligencia Artificial (IA) dentro das áreas de finanças, fornecendo uma visão geral da blockchain e possíveis casos de uso nos mercados de negociação, liquidação e ações.

Tecnologias emergentes como a blockchain, diz, podem ser “integradas nas áreas de investimento, negociação, compensação e liquidação”, acrescentando que os regulamentos também devem ser comuns a todas as empresas do setor financeiro.

Leis devem ser aplicadas também à blockchain
Leis devem ser aplicadas também à blockchain

Embora diferentes jurisdições possam aplicar regras diferentes à tecnologia em alguns casos de uso, os autores sugerem aplicar o que eles chamam de “princípio de consistência” na regulamentação financeira – isto é, que “negócios financeiros da mesma natureza deveriam estar sujeitos à mesma regulamentação”.

“O princípio da consistência requer que … a emissão de moedas digitais e fundos digitais deve ser governada sob o arcabouço regulatório de valores mobiliários existente”, disseram os autores, acrescentando:

“As atividades de angariação de fundos públicas de emissão de ações pelos emissores – que o fazem meramente com um prospecto publicado na internet, mas sem qualquer subscritor, nem conformidade com os procedimentos de registro do IPO ou rigorosos requisitos de divulgação – devem ser retificadas submetendo-os à governança por a Lei dos Valores Mobiliários. ”

Além disso, trazer serviços financeiros semelhantes sob as regras existentes “manteria a concorrência justa, garantiria a eficácia regulatória e evitaria a arbitragem regulatória”, argumentou o relatório.

Uma questão potencial levantada, porém, é que a natureza em rápida mudança da tecnologia financeira pode potencialmente abrir “brechas” regulatórias. Como resultado, os regulamentos precisam ser “atualizados continuamente” para acompanhar as mudanças tecnológicas.

O relatório foi divulgado no mesmo dia em que a agência de combate à lavagem de dinheiro, a Força-Tarefa de Ação Financeira, anunciou que vai elaborar regras para o regulamento internacional sobre criptomoedas até junho próximo.

O movimento veria qualquer país que quisesse ficar incluído no sistema financeiro internacional, tendo que licenciar e regular bolsas de valores, provedores de carteira e empresas ligadas às ofertas iniciais de moedas.

Fonte: Coindesk

Deixe um comentário