Mais um banco dos EUA proíbe a compra de criptomoedas com cartão de crédito

O Wells Fargo & Company, uma gigante dos serviços financeiros sediado em San Francisco, anunciou recentemente que não permitirá mais a compra de criptomoedas usando seus cartões de crédito emitidos por bancos.

Com esse movimento, o Wells Fargo se junta às fileiras de outros grandes bancos dos EUA que já proibiram a compra de criptomoedas com seus cartões de crédito, ou seja, JP Morgan Chase, Bank of America e Citigroup.

A principal preocupação, expressa por um porta-voz da Wells Fargo, está na alta volatilidade do mercado de criptomoedas:

Os clientes não podem mais usar seus cartões de crédito Wells Fargo para comprar criptomoedas […] Estamos fazendo isso para ser consistentes em toda a empresa Wells Fargo devido aos múltiplos riscos associados a esse investimento volátil. Esta decisão está em linha com a indústria global.No entanto, a Wells Fargo não está trancando a porta permanentemente, observando que o banco “continuará a avaliar a questão à medida que o mercado evoluir”.

Outras preocupações parecem derivar de uma pesquisa que mostra que pouco mais de 18% dos investidores de criptomoeda usavam cartões de crédito para financiar suas compras. O mesmo estudo mostra que aproximadamente um quinto deles não pagou o saldo do cartão de crédito depois de ter comprado moeda digital.

A notícia vem em meio a um declínio geral substancial do mercado de criptomoedas.

Bitcoin, neste momento, está em US$ 6.878, após pairar mais de US$ 7.500 na semana passada. Todo o mercado de criptomoedas sofreu uma quebra de US$ 42 bilhões no fim de semana.

Do ponto de vista objetivo, pode parecer que está ficando mais difícil para os investidores regulares em criptomoedas aproveitarem a queda atual. Além da crescente lista de bancos que estão impedindo seus usuários de usar seus cartões de crédito para compras criptomoedas, a Visa e a MasterCard também as reclassificaram como “adiantamentos em dinheiro”, aumentando as taxas de transação em 5%, aumentando os 4% existentes anteriormente.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário