Mercado em dúvida: Queda brutal do Bitcoin

mercado em dúvida

Vimos um cenário bastante estranho acontecendo nas últimas semanas, que foi a forte queda do Bitcoin. No entanto, embora seja algo até esperado, esse comportamento colocou o mercado em dúvida. De fato, em sua história, essa é a queda mais brutal que a cripto já viu.

Os registros do criptomercado apontam que, no ponto mais baixo de toda a capitalização, houve uma vazão de US$ 75 bilhões, somando todas as quedas das criptos presentes atualmente. Porém, o mais assustador disso tudo foi que o evento ocorreu em poucas horas.

Por conta disso, fica difícil imaginar o retorno de investidores para os ativos digitais, pois os acontecimentos colocaram em xeque o conceito e propósito das criptos, o que culminou em um mercado em dúvida. Pode ser que a confiança nunca mais seja reparada e que todo o criptomercado esteja desacreditado, por parte dos investidores.

Crypto crash e mercado em dúvida

O mercado de criptomoedas é conhecido por apresentar uma alta volatilidade, mas a variação de preço vista nos últimos dias é grande até mesmo para ele. Dessa forma, com o BTC caindo 50% e demais criptos em situações piores, podemos dizer que é um show de horrores.

No Twitter, o ex-CPO do Tinder, Brian Norgard, disse que o ritmo de queda apresentado pelas criptos é o maior que qualquer pessoa viva já viu. Além disso, apontou que é o cenário mais destrutivo encarado nos últimos tempos.

Porém, a queda ser violenta não impede o pleno funcionamento das criptos, mas ela ocorrer junto com as bolsas caindo é o problema em si. De fato, de que adianta existirem ativos descentralizados se eles respondem de forma correlacionada às bolsas? O ideal seria que o criptomercado seguisse suas próprias regras, mas não foi isso que aconteceu.

A ruptura da ideia de porto seguro acabou colocando todo o mercado em dúvida, e isso sim manchou a imagem das criptos. Além disso, o BTC foi vendido como uma ferramento para crises, onde problemas na economia global só aumentariam o valor do ativo digital. O mesmo ocorreu para as demais criptomoedas do mercado.

Essa ilusão foi tão grande que há especuladores dizendo ser o fim das moedas digitais, dado que não conseguem cumprir com sua função. Porém, mesmo havendo todos esses problemas, acreditamos que o fim está bastante distante do criptomercado, pois há muita coisa em jogo nele.

O motivo de não ser o fim das criptos

As criptomoedas estão atuando há cerca de 12 anos na economia, mas somente nos últimos anos presenciamos sua vasta utilização. De fato, temos acompanhado o surgimento de diversas tecnologias com base em blockchain, por exemplo, além do uso das próprias criptos para pagamentos.

Talvez o grande mal entendido dos investidores seja a própria noção das criptos como investimentos em si, pois estas seriam utilizadas apenas como mecanismo para se obter lucro, e não para o propósito real para o qual foram feitas: pagamentos sem uso de moedas fiduciárias.

Talvez essa crise venha nos ensinar exatamente isso, e devemos aceitar de bom grado a lição.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário