Mineração de criptomoedas e produtores de energia renovável

Mineração de criptomoedas e produtores de energia renovável do mundo

O Grupo En+, maior produtor mundial de alumínio de baixo carbono e maior gerador de energia hidrelétrica do setor privado, entrou em sua primeira joint venture de mineração de criptomoedas.

O novo empreendimento, denominado Bit+, terá como foco a criação de instalações que apoiem ​​a mineração de criptomoedas com baixa pegada de carbono. O parceiro do En+ Group na Bit+ é a empresa russa BitRiver, que fornece serviços de hospedagem e soluções prontas para uso para operações de mineração de criptomoedas institucionais em grande escala.

BitRiver atualmente opera o maior data center que oferece serviços de colocação para mineração de Bitcoin (BTC) na Federação Russa e oferece serviços semelhantes em todo o país e aos vizinhos da CEI.

O primeiro resultado do empreendimento Bit+ é a instalação de uma nova instalação perto do data center existente da BitRiver em Bratsk, localizado na região de Irkutsk na Federação Russa. O Grupo En+ comprometeu 10 MW de eletricidade para a instalação, que é composta por unidades modulares de mineração e já está operacional. As empresas têm planos de dimensionar a capacidade da instalação para cerca de 40 MW.

Em sua fase inicial, a instalação é composta por 14 unidades modulares, cada uma delas um contêiner de remessa convertido que é tão grande quanto um data center de mineração criptográfica em escala real. Cada unidade pode acomodar até 400 mineiradores S19 Pro da Bitmain.

Em um comunicado oficial, o Grupo En+ forneceu algum contexto sobre a escolha da região de Irkutsk e sua aparente viabilidade para soluções de baixo carbono para mineração de criptomoedas:

“Nossos ativos de energia na região de Irkutsk produzem eletricidade barata e de baixo carbono a partir de fontes renováveis, e podemos oferecer energia excedente a essas parcerias. Além disso, a baixa temperatura média anual reduz a energia exigida pelos datacenters, tornando-os mais eficientes e minimizando ainda mais sua pegada de carbono.”

Conforme relatado, o alto consumo de energia continua sendo um calcanhar de Aquiles para o setor de criptomoedas, particularmente para moedas como Bitcoin, cujo algoritmo de consenso é computacionalmente intensivo e, portanto, exige níveis excepcionalmente altos de energia para manter.

Vários especialistas em energia tentaram reorientar o debate sobre energia em torno do Bitcoin para longe do consumo de energia. Em vez disso, eles se concentraram em analisar onde essa energia é produzida e como ela é gerada, e argumentaram que é mais importante garantir que escolhas menos prejudiciais sejam feitas no estágio de geração de energia.

Com os atores financeiros e geopolíticos entrando agora no jogo final da política climática global, resta saber até que ponto tornar o consumo de energia da criptografia mais verde, em vez de ter como objetivo reduzi-lo, será suficiente para tornar o setor verdadeiramente sustentável.

Veja mais em: Criptomoedas | Mineração | Notícias

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *