Moedas digitais: parte da nova ordem monetária

Moedas digitais parte da nova ordem monetária

O Banco da Inglaterra, ou BoE, está ampliando sua avaliação das moedas digitais, incluindo a avaliação de como esses ativos poderiam formar a base de uma “nova ordem monetária”.

Andy Haldane, o economista-chefe do banco e membro titular do Comitê de Política Monetária, fez um discurso na Conferência do 10º Aniversário do TheCityUK.

A transcrição de 19 páginas, intitulada “Aproveitando as oportunidades do Financiamento Digital”, investiga vários tópicos relacionados às moedas digitais e seu impacto na estabilidade financeira e na política monetária.

Haldane disse que “modelo tradicional de banco seria interrompido” por uma moeda digital amplamente usada, acrescentando que mais atenção deve ser dada “aos benefícios potenciais de longo prazo de tal mudança estrutural”.

Um desses benefícios é o surgimento do chamado banco estreito, que separaria parcialmente as atividades baseadas em pagamentos “seguros” dos bancos de seus negócios de crédito mais arriscados.

Haldane acrescentou:

“A princípio, separar pagamentos seguros e atividades de empréstimo arriscadas poderia levar a um alinhamento mais próximo do risco e da duração nos balanços das instituições que oferecem esses serviços.”

Do lado da política monetária, o banco central acredita que uma moeda digital poderia mitigar ou possivelmente até negar a prevalência de taxas de juros negativas. Haldane diz que as taxas de limite zero ou negativas surgem de uma restrição tecnológica na capacidade de pagar ou receber juros em dinheiro físico:

“A princípio, uma moeda digital amplamente utilizada poderia mitigar, se não eliminar, essa restrição tecnológica, permitindo que as taxas de juros incidam sobre os ativos monetários de varejo.”

As taxas de juros negativas são uma ferramenta política não convencional empurrada pelos bancos centrais para encorajar as instituições financeiras a emprestar dinheiro em vez de acumulá-lo em reservas. Em um ambiente de taxas negativas, as instituições financeiras pagam para estacionar seu excesso de caixa no banco central. O Banco Central Europeu, o Banco do Japão e o Banco da Suíça seguiram esse caminho após a crise financeira de 2008.

O BoE também está explorando os vários casos de uso de uma moeda digital do banco central, ou CBDC, mas não tomou nenhuma decisão sobre o assunto, de acordo com Tom Mutton, diretor da fintech.

Os bancos centrais de todo o mundo estão avaliando a possibilidade de um CBDC, com algumas autoridades monetárias adotando uma abordagem mais proativa. A China, por exemplo, concluiu recentemente seu maior piloto do Yuan digital, distribuindo carteiras online para 50.000 pessoas.

Enquanto isso, o Federal Reserve dos Estados Unidos lançou uma série de relatórios de pesquisa explorando a utilidade potencial de um CBDC. Uma das principais conclusões de uma revisão da literatura publicada recentemente foi a necessidade de identificar as “características intrínsecas do CBDC.”

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *