O COVID-19 levanta sérios problemas de privacidade

O COVID-19 levanta sérios problemas de privacidade

A situação trazida pelo aparecimento do COVID-19 não tem sido nada fácil. Estamos vendo noticias assustadoras todos os dias, milhões de casos confirmados e milhares de mortes em todo o mundo. Nesse momento tão difícil, temos visto a importância da sociedade se unir – mesmo que virtualmente – para ajudar uns aos outros, tentando amenizar as consequências. No ramo da privacidade, as implicações à longo prazo podem ser muito preocupantes. Medidas conjuntas estão sendo tomadas entre a Apple e Google. O objetivo é analisar opções de rastreamento de contatos, enquanto os governos adotam o acompanhamento de biometria das pessoas através de dispositivos pessoais. Durante o tempo em que a necessidade de o distanciamento social durar, a ameaça à privacidade irá continuar.

Tem se discutido, fora da mídia, uma solução que pode atender a esse estado emergencial, auxiliando nos setores de saúde, e resguardando os dados privados: a credencial digital, ou identidade digital. Ela pode ser considerada uma “mistura” de ideias antigas e novas. A credencial digital iria atuar como uma prova de informações dada por uma entidade de confiança. Assim como uma carteira de motorista pode provar a sua idade, endereço e a permissão para dirigir, a identidade digital fará o mesmo. E as suas funções ainda poderão ser mais práticas e privadas. Não será necessário revelar informações como endereço ao comprovar idade. Além disso, seria possível informar a pessoas próximas se você se infectou com o COVID-19, sem haver divulgação de nome.

Existe uma identidade digital no smartphone, ou para quem não possui um, em um ambiente seguro de nuvem, que pode ser acessado por meio de um terminal que usa biometria sem toque, como por exemplo a varredura de íris ou reconhecimento facial, que é usada pela empresa Clear em aeroportos. A credencial digital pode ser feita e acessada por qualquer organização, em que as informações disponíveis para leitura e uso, serão escolhidas por cada um. Assim, seria possível que a ajuda ao controle e combate ao COVID-19 ficasse mais acessível para todos, em que não seria revelado dados pessoais para isso.

O COVID-19 levanta sérios problemas de privacidade

Invasão de privacidade

Atualmente, a triangulação é comum. Os dados que são pegos pelas grandes empresas tecnológicas, irão ficar disponíveis para terceiros. Isso porque há dinheiro envolvido nessas informações pessoais. E, nem o governo irá se importar em utilizar os seus dados, uma vez que alguma imagem ou informação possa ajudá-los com algo.

Entretanto, com essa solução de credencial digital, isso pode mudar. A confiança e imutabilidade fornecidas pela tecnologia de blockchain podem auxiliar na criação de uma identidade que comprova tudo que é necessário, desde que se confie na organização que emite do backup de afirmação dos dados. Dados médicos poderão ser acessados com facilidade através do smartphone, sendo possível para o médico disponibilizar atestados e relatórios, que poderão ser lidos por exemplo, por empregadores. Isso irá permitir que a vida normal possa ser novamente alcançada, pois havendo confiança em quem emitiu os dados, as pessoas poderão voltar a fazer compras em lojas, ir em eventos, e etc., provando seu estado clínico de maneira facilitada e com proteção de privacidade. O acesso a credencial digital pode ser levado à diversos setores, como o setor bancário e votações online, permitindo comprovações de dados segura e sem necessidade de contato físico.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário