Protocolo Yam migrará tokens antigos para um contrato auditado

Protocolo Yam migrará tokens antigos para um contrato auditado

Após o protocolo Yam Finance original entrar em colapso devido a uma única linha de código, seus desenvolvedores estão planejando relançar o projeto em novos contratos inteligentes auditados.

Em uma postagem de blog, os desenvolvedores delinearam um plano de migração que fará com que os tokens já existentes sejam transferidos em um novo smartcontract com um rebase funcionando corretamente.

Então, o relançamento foi anunciado logo depois que ficou claro que um último esforço para salvar o protocolo falhou.

No entanto, recentemente, surgiram detalhes sobre a próxima transição. A migração acontecerá em dois estágios e inclui um contrato inicial Yam V2 que armazenará informações sobre saldos anteriores. Os usuários precisarão queimar seus tokens V1 e cunhar novos tokens antes de um prazo não especificado. Assim, esse contrato de transição não levará rebases em consideração, portanto, o valor cunhado dependerá da participação subjacente no fornecimento total de tokens.

O contrato de transição não terá recursos de governança, mas, em vez disso, usará votação baseada em assinaturas fora da rede para permitir que a comunidade expresse seu caminho desejado a seguir.

Contratos V3 totalmente auditados

O caminho mais provável é a implantação de contratos V3 totalmente auditados, que será o relançamento real do Yam. Ainda não foram dados cronogramas para isso, embora a equipe tenha informado que informações específicas sobre as auditorias serão fornecidas nos próximos dias.

Assim que os contratos forem implantados, a equipe irá “defender fortemente” a recompensa de todos os detentores de tokens que “agiram para salvar o sistema”. Então, caberá à comunidade, decidir se vale a pena seguir o plano e enviar a proposta de governança apropriada.

Entretanto, isso poderia resultar em um enigma político interessante para a comunidade, dependendo de qual porcentagem de detentores delegou seus tokens para salvar o protocolo. Se forem maioria, podem forçar a decisão às custas dos titulares não participantes. Se eles forem uma minoria, esta decisão exigiria altruísmo dos detentores restantes.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.