Roberto Justus tem dinheiro preso no Grupo Bitcoin Banco

Roberto Justus

Roberto Justus, grande empresário e apresentador de tv, consta como um dos credores do GBB. Justus ficou muito conhecido ao participar do reality show “O aprendiz”, fazendo parte do time do programa.

Além da tv, Roberto Justus também é bastante conhecido no meio publicitário. Foi fundador e membro do Grupo Newcomm até 2018, quando se desligou e vendeu sua participação para WPP, uma empresa britânica. No entanto, seu contrato com a TV Bandeirantes ainda perdura devido ao sucesso do programa “O aprendiz”.

De acordo com Justus, o valor retino no GBB diz respeito a um pagamento que recebeu. Dessa forma, uma parte do pagamento foi feita por Bitcoins por meio do Grupo Bitcoin Banco. Porém, Justus contou ainda que já resolveu o problema, e que o dinheiro retido em seu nome não tem nada haver com ele.

A quantia retida em nome de Robertos Justus é de R$115.000, e está na NegocieCoins. A NegocieCoin faz parte do Grupo Bitcoin Banco, o qual possui cerca de 200 processos, ao todo.

Roberto Justus diz não ter interesse em Bitcoin

A assessoria de imprensa de Justus disse que o apresentador não investe e nem tem interesse na criptomoeda. Além disso, podemos notar que esse ramo está fora dos padrões para ele.

Justus parece preferir abrir e gerenciar suas próprias empresas, assim como trabalhar em programas de tv. Todavia, sua fama é de grande empresário e não de grande investidor. Ter uma conta em uma exchenge é estranho.

Dívidas sobre dívidas no GBB

O GBB é um conglomerado de empresas que visa operar com Bitcoins, algo um tanto problemático no Brasil. Em julho de 2019 houve o congelamento de todas as atividades do grupo. No mesmo período vieram os primeiros processos judiciais.

Na época foi dito que uma tentativa de golpe havia ocorrido, e que as operações foram bloqueadas para impedir grandes perdas patrimoniais. Isso acarretou na impossibilidade de sacar dinheiro da empresa por parte dos clientes.

O tempo foi passando e o problema só aumentou. Quando foi questionado sobre o valor da dívida, o dono do grupo apontou R$ 500 milhões. Porém, um relatório recente entregue à Justiça mostrou uma dívida de R$ 2,7 bilhões pelo grupo.

Além disso, o mesmo relatório apresentou problemas na contabilidade das empresas do conglomerado, além de pouca informação acerca do serviço prestado. A forma como o dinheiro era tratado dentro do grupo se mostrou pouco detalhada.

Alta rentabilidade: a forma ideal de atrair pessoas

O GBB tinha uma técnica infalível para atrair mais investidores: altíssimos retornos sobre o investimento. Na época, era estimado cerca de 2% ao mês de retorno para o investidor. Isso equivale a 24% ao ano, sendo um valor absurdo para qualquer investimento.

A critério de comparação, ter um retorno de 12% ao ano já é considerado alto no mundo das ações. Dessa forma, 24% é um sinal de que algo não está certo. O resultado de ser ludibriado por esse valor é o que vemos hoje: milhares de pessoas desesperadas tentando sacar seu dinheiro de um empresa que está arruinada.

Não acredite em lucros exorbitantes, eles podem acabar com suas finanças!

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.