Startup de blockchain de energia solar levanta US$ 3 milhões

Startup de blockchain de energia solar na África do Sul levanta US$ 3 milhões

A Sun Exchange, plataforma sul-africana de energia renovável peer-to-peer baseada em blockchain teve um investimento de US$ 3 milhões da Arch Emerging Markets Partners. Assim, concluiu sua rodada de financiamento da Série A de US$ 4 milhões.

A plataforma permite a compra de células solares por clientes internacionais, que são localizadas remotamente com bitcoin (BTC) ou rand sul-africano, que depois são alugados para empresas e entidades do setor em mercados emergentes. Abe Cambridge, fundador e CEO da Sun Exchange, disse:

“Os proprietários de células solares obtêm renda com a eletricidade gerada. Enquanto escolas, empresas, clínicas e outras organizações obtêm acesso à energia limpa a preços acessíveis, reduzindo os custos de eletricidade e as emissões de carbono”.

A startup, com o novo investimento, possibilitará que os clientes “diversifiquem ainda mais seus portfólios de células solares em regiões e setores”. A empresa também vem analisando novos mercados na África subsaariana, incluindo Namíbia, Zimbábue e Nigéria, de acordo com Cambridge.

Consumo utilizado por criptomoedas

O modelo da bitcoin de proof-of-work é um grande consumidor mundial de eletricidade. Contudo, dados recentes da Digiconomist o consumo anual usado pela criptomoeda é de 58,78 terawatt-hora, valor que pode ser comparado com consumo total de Israel.

Cambridge disse sobre os gastos consumidos pela bitcoin:

“Embora a mineração de bitcoin consuma muita eletricidade, é mais eficiente que o sistema bancário alternativo, e a corrida é para minerar bitcoin da maneira mais eficiente possível, usando a energia de menor custo – que agora é energia solar em locais com sol abundante… Esperamos que a mineração de bitcoin possa ser movida a energia solar. A energia que as células solares produzem ao longo da vida é muito maior do que a energia necessária para minerar o Bitcoin que as comprou, criando um balanço energético positivo.”

Uso de energia solar ponto a ponto

E então, no mês de maio, a Power Ledger – empresa australiana -, revelou parceria com a Thai Digital Energy Development para desenvolvimento de uma plataforma de energia digital ponto a ponto com base em blockchain no país.

Veja mais em: Blockchain | Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.