Tencent solicita patente de shows virtuais no Metaverse

Tencent solicita patente de shows virtuais no Metaverse

O conglomerado de tecnologia, Tencent, solicitou uma patente de concertos virtuais na Administração Nacional de Propriedade Intelectual da China (CNIPA), de acordo com o rastreador de dados de negócios, Qichacha. O aplicativo surge no momento em que as empresas chinesas correm para garantir as marcas registradas do metaverso.

O Banco Popular da China (PBoC) assumiu uma forte posição contra o Metaverse e os tokens não fungíveis (NFTs) em novembro, afirmando que os rastrearia com ferramentas Anti-Money Laundering (AML). No entanto, de acordo com o jornal chinês The Paper, mais de mil empresas chinesas enviaram mais de 16.000 pedidos de marcas relacionadas ao metaverso.

Apesar dos avisos, a multinacional chinesa de tecnologia e videogames Tencent vem liderando a investida da China no Metaverso.

De acordo com o South China Morning Post, fontes afirmam que a Tencent enviou uma carta interna a seus funcionários em outubro do ano passado, sobre a criação de um novo estúdio “F1” sob sua subsidiária, TiMi Studios, que envolverá funcionários da China, o Estados Unidos, Canadá e Cingapura.

Em 31 de dezembro do ano passado, a Tencent realizou o primeiro show virtual da China no Metaverse, uma celebração de Ano Novo chamada TMELAND, que contou com a participação de mais de 1,1 milhão de fãs durante o festival. A Tencent também adquiriu a empresa de shows animados Wave, com sede em Los Angeles, que usa tecnologia de captura de movimento para criar shows virtuais realistas.

Os shows de ondas foram extremamente bem-sucedidos no passado e cresceram em popularidade durante a pandemia como uma nova maneira de os músicos se envolverem com os fãs. Quando The Weeknd usou os serviços do Wave para transmitir um show virtual ao vivo no TikTok em agosto do ano passado, atraiu aproximadamente dois milhões de espectadores em todo o mundo e arrecadou US$350.000 para a Equal Justice Initiative.

Resta saber se as ambições da multinacional chinesa serão afetadas pelos reguladores locais. Falando em uma cúpula nacional de segurança financeira em 26 de novembro, Gou Wenjun, diretor da unidade AML do PBoC, alertou sobre os perigos associados às novas tendências do ecossistema de criptomoedas, como NFTs e Metaverse. Ele alegou que esses ativos poderiam ser facilmente usados ​​para fins ilícitos, como lavagem de dinheiro e evasão fiscal, se não regulamentados.

O Diário do Povo, o jornal oficial do Partido Comunista Chinês, também emitiu um alerta sobre o Metaverso em 9 de dezembro, afirmando:

“A regulamentação deve ser incentivada a vir antes da inovação.”

Apesar do prenúncio ameaçador da mídia nacional e dos bancos estatais, a China ainda não forneceu mais clareza sobre os regulamentos relacionados.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.