Usar um protocolo DeFi pode custar mais de US$ 50

Usar um protocolo DeFi pode custar mais de US$ 50

Os preços do gás no Ethereum registraram novos máximos na terça-feira, já que para fazer uma transação agora é necessário um lance de mais de 450 gwei. Atualmente, usar um protocolo DeFi pode custar mais de US$ 50. As taxas chegam a 2 gwei em períodos calmos e anteriormente eram consideradas altas, com 30 gwei. O preço do gás é um indicador generalizado dos preços médios, mas traduzi-lo em custos de transação reais não é fácil. Visto que diferentes tipos de transferências consomem quantidades variáveis ​​de gás, há uma diferença muito significativa entre as transferências simples de Ether (ETH) e a interação com um contrato inteligente DeFi.

A transferência do Ether leva apenas cerca de US$ 4 — muito longe das taxas de transferência do Bitcoin (BTC) de mais de US$ 50 no pico do mercado em alta de 2017. Transferir tokens é mais caro, com um custo de gás de cerca de US$ 17 atualmente. Mas interagir com protocolos financeiros descentralizados agora se tornou tão caro que todos os usuários, exceto os mais ricos, estão fora do preço do DeFi.

Fazer uma troca simples de Ether para Dai (DAI) no Uniswap requer US$ 55 em taxas de gás. A Curve estima um preço de US$ 33, enquanto uma negociação no Mooniswap custará mais de US$ 80. Fornecer um ativo ao Composto requer cerca de US$ 57, enquanto no Aave requer US$ 44.

A esses preços do gás, usar esses protocolos torna-se impossível ou antieconômico. Para que o custo do gás em um DEX seja equivalente a uma taxa de câmbio tradicional de 0,2%, é preciso negociar pelo menos US$ 27.500 em ativos em uma única transação. Um usuário depositando 5.000 DAI no Composto precisaria esperar mais de 40 dias para atingir o equilíbrio com o gás — mesmo ao contabilizar as recompensas do COMP.

Apesar de tudo isso, o Uniswap está quebrando todos os recordes de volume, pois mais de US$ 680 milhões foram negociados nas últimas 24 horas — mais do que grandes exchanges centralizadas como o Coinbase Pro. De acordo com o DappRadar, o Uniswap viu cerca de 16.500 carteiras exclusivas interagindo com o protocolo nas últimas 24 horas. Isso resulta em um tamanho médio de transação por carteira de US$ 41.000, o que sugere que essas taxas de gás não são um grande problema para os usuários atuais do Uniswap. É provável que uma parte dos usuários use várias carteiras, aumentando ainda mais a média real.

O par de maior volume na troca é SUSHI/ETH, cerca de US$ 140 milhões. A adesão ao pool permite que seus provedores de liquidez ganhem o token SushiSwap, um fork de código Uniswap direta que visa trazer uma distribuição justa de tokens — desencadeando uma das maiores manias de agricultura de rendimento até agora.

Os rendimentos da criação do token SUSHI atualmente variam de 1.000% a 3.000% anualizado, ou um pouco menos de 1% ao dia. Curiosamente, os mineradores parecem estar optando principalmente pelo pool SUSHI/ETH — o único pool circular que exige primeiro a compra do SUSHI para obtê-lo, embora seu rendimento seja apenas “médio” de 2.000%.

A razão provável é que isso facilita a composição das recompensas, já que os mineradores não precisam vender constantemente o SUSHI que obtêm em dois tokens separados. Além disso, isso incentiva um mecanismo do tipo Ponzi, em que novos mineradores aumentam os lucros dos participantes existentes, impulsionando a demanda pelo token.

Atualmente, o Uniswap é agora o maior bebedor de gás de acordo com a EthGasStation, seguido de perto pelo Tether e pelo suposto esquema Ponzi Forsage.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário