Bitcoin cai quando a China causa mais uma ameaça

Bitcoin cai quando a China causa mais uma ameaça

Os investidores em Bitcoins entraram em pânico pelo terceiro dia consecutivo, enviando o ativo 12% para o vermelho. Hoje, é porque a China enviou outro aviso à indústria de criptomoedas, visando especificamente os mineradores.

China emite outro aviso

Às 10:10 EST da sexta-feira, relatos de que o vice-premiê chinês, segundo depois do presidente, Liu He, havia prometido conter o negócio de mineração no país sacudiu o mercado de criptomoedas. Ele organizou uma reunião com o conselho estadual da China, após a qual uma declaração pedindo uma repressão foi postada no site do governo chinês.

Hoje é o terceiro dia consecutivo em que o mercado tem visto flash crashes impulsionados por notícias regulatórias.

O Bitcoin sofreu sua pior queda desde março de 2020 na quarta-feira, quando a notícia de que a China aumentaria sua supervisão sobre o comércio de criptomoedas ajudou o ativo a atingir baixas de cerca de US$ 30.000.

O Tesouro dos EUA então anunciou seus planos de fazer com que os usuários de criptomoedas relatassem transações no valor de mais de US$ 10.000 para o IRS. Se implementada, a decisão começaria em 2023. O Bitcoin caiu 8% de US$ 41.500 para US$ 38.100 dentro de uma hora após a divulgação da notícia.

Os aumentos astronômicos de preços de criptomoedas como o Bitcoin levaram recentemente a uma maior supervisão do governo do espaço em todo o mundo.

Relatórios da China aumentando os esforços para conter o mercado de criptomoedas têm chegado durante toda a semana. As autoridades locais também tentaram introduzir novos controles sobre o comércio e a mineração. A China é conhecida por sua abordagem opaca às criptomoedas; em ciclos de alta anteriores, os temores regulatórios sobre a China impor uma proibição do Bitcoin colocaram o mercado em pânico.

Antes do anúncio de hoje, o Financial Times informou ontem que a província da Mongólia Interior, que anunciou o banimento da mineração de Bitcoin no mês passado, estabeleceu uma linha direta de denúncias para “limpar e fechar de forma abrangente” as operações de mineração na região. A região abriga cerca de 7% da operação de mineração de Bitcoin do país e é especialmente movimentada durante a estação seca.

Além da atualização He, Hong Kong, a região administrativa especial da China, também reiterou sua proposta legislativa que permitirá que apenas os comerciantes profissionais com uma carteira de mais de HK $ 8 milhões ($ 1,03 milhão) negociem em exchanges de criptomoedas licenciadas.

O Bitcoin foi negociado pela última vez a US$ 37.300 no Bitstamp. A segunda maior criptomoeda, Ethereum, caiu 11,3%, chegando a US$ 2.450. As perdas em outras altcoins foram mais graves, caindo em porcentagens de dois dígitos.

Traduzido e adaptado de: cryptobriefing.com

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *