Coca-Cola usará blockchain para inibir o trabalho forçado

A Coca-Cola e o Departamento de Estado dos EUA, juntamente com outras duas empresas, disseram na sexta-feira que estão lançando um projeto usando a tecnologia do livro-razão digital, a blockchain, para criar um registro seguro para os trabalhadores que ajudarão a combater o uso do trabalho forçado em todo o mundo.

O Departamento de Estado disse que este é o primeiro grande projeto da agência governamental sobre esta questão usando a blockchain, reforçando a crescente aplicação da tecnologia por causas sociais.

Trabalho forçado

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, cerca de 25 milhões de pessoas trabalham em condições de trabalho forçado em todo o mundo, com 47% delas na região da Ásia-Pacífico.

As empresas de alimentos e bebidas estão sob pressão para enfrentar o risco de trabalho forçado em países onde obtêm cana-de-açúcar. Um estudo divulgado no ano passado pela KnowTheChain (KTC), uma parceria fundada pela Humanity United, com sede nos EUA, mostrou que a maioria das empresas de alimentos e bebidas estão aquém dos seus esforços para resolver o problema.

O estudo disse que a Coca-Cola, uma das 10 empresas globais analisadas pela KTC, comprometeu-se a realizar 28 estudos a nível nacional sobre trabalho infantil, trabalho forçado e direitos de terra para as cadeias de suprimento de açúcar até 2020.

A gigante das bebidas dos EUA disse que tem explorado vários projetos de blockchain por mais de um ano.

Brent Wilton, líder mundial da empresa em direitos no local de trabalho, disse por e-mail para o portal Reuters:

“Estamos nos associando ao piloto desse projeto para aumentar a transparência e eficiência do processo de verificação relacionado às políticas trabalhistas dentro da nossa cadeia de suprimentos”.

O novo empreendimento destina-se a criar um registro seguro para os trabalhadores e seus contratos usando a validação da blockchain, disse a Blockchain Trust Accelerator (BTA), uma organização sem fins lucrativos envolvida no projeto. A organização usa uma plataforma global que aproveitar a blockchain para produzir impacto social.

O Departamento de Estado disse que fornecerá conhecimentos especializados em proteção laboral.

“O Departamento de Estado está animado para trabalhar neste piloto inovador baseado em blockchain”, disse o secretário-adjunto, Scott Busby, observando que, enquanto a blockchain não pode obrigar as empresas ou as autoridades a cumprir os contratos de trabalho, ela pode criar uma cadeia de evidências validadas que encorajem o cumprimento desses contratos.

O Grupo Bitfury, uma empresa de tecnologia dos EUA, criará a plataforma blockchain para este projeto, enquanto a Emercoin também fornecerá serviços, disse o presidente da Bitfury, Valery Vavilov, e o diretor de tecnologia da Emercoin, Oleg Khovayko, nesta sexta-feira.

Deixe um comentário