Coincheck retoma parcialmente as operações com Monero

A Exchange japonesa Coincheck anunciou que está retomando parcialmente as operações com a moeda de privacidade Monero. Retiradas e vendas de XMR estarão disponíveis para seus usuários, mas não para compras. De acordo com um aviso publicado em seu site na segunda-feira, novos procedimentos foram introduzidos para garantir a segurança dos comerciantes.

Todas as solicitações anteriores de transações foram canceladas e os usuários terão que iniciar novas transferências. Eles também serão solicitados a confirmar o endereço de destino e declarar o motivo de cada transação em um campo dedicado. O sistema solicitará automaticamente a confirmação das informações associadas a todas as transações.

Outro recurso de segurança que foi introduzido pela plataforma é a verificação de identidade obrigatória para os usuários que enviam fundos em qualquer moeda digital ou iene japonês. O processo de verificação inicial pode levar vários dias, a Coincheck informa seus clientes, pedindo sua compreensão.Ao enviar / vender XMR, os comerciantes serão solicitados a confirmar as informações fornecidas com o registro. Qualquer alteração nos detalhes deve ser verificada antes que uma retirada de criptomoeda possa ser processada. Uma tela de confirmação será exibida durante a primeira solicitação de transação após a retomada das operações com o Monero. O objetivo da remessa deve ser declarado.

A Coincheck alerta que, devido ao tráfego esperado, seus clientes podem enfrentar dificuldades ao tentar se conectar aos servidores da plataforma. A exchange também observa que, se o volume de negociação aumentar rapidamente, ou se ocorrer algum problema imprevisto, ele poderá suspendê-lo temporária ou permanentemente, a seu próprio critério. O mesmo pode acontecer “automaticamente” em caso de flutuações de preço repentinas.

No comunicado à imprensa, a Coincheck pede novamente desculpas pela suspensão de seus serviços após o ataque à plataforma em janeiro. O câmbio japonês perdeu cerca de ¥ 58 bilhões em NEM ( US$ 550 milhões na época) em um dos maiores hacks da história das moedas digitais. De acordo com especialistas em segurança cibernética citados pela imprensa japonesa, metade das moedas XEM já foram lavadas no darknet. Em março, a Fundação NEM anunciou que não iria mais rastrear os criptos roubados. Os clientes que perderam fundos foram compensados em ienes.

Coincheck retoma as medidas de retirada e vendas do MoneroImplementando medidas para se recuperar do assalto, espera-se que o Coincheck derrube três criptomoedas que fornecem altos níveis de anonimato, Monero, Zcash e Dash. Segundo fontes citadas pelo Japan Times, a exchange reconheceu os riscos associados a essas moedas que podem potencialmente facilitar a lavagem de dinheiro. Anteriormente, foi criticado pelos reguladores por suas políticas permitindo que os comerciantes permanecessem anônimos. De acordo com alguns relatórios recentes, a Agência de Serviços Financeiros do Japão vem solicitando plataformas de negociação para retirar as moedas de privacidade.

A Coincheck insiste que tomou medidas adequadas para manter a segurança e impedir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. Também diz que retomará as negociações gradualmente, priorizando a proteção dos ativos de seus clientes. A plataforma de negociação de criptomoeda é operada pela Coin Check Co., Ltd. Em 16 de abril, a empresa tornou-se uma subsidiária da Monex Group, uma grande corretora on-line japonesa. Toshihiko Katsuya, ex-diretor de operações do Monex Group, agora atua como presidente e diretor executivo da Coin Check Co.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário