Exchange Italiana é desativada após relançamento

A exchange de Criptomoedas BitGrail voltou a suspender as operações depois de brevemente reabrir a maior parte de seus mercados comerciais.

A plataforma de câmbio, que está imersa em controvérsias desde que 17 milhões de Nano-tokens (XRB), atualmente avaliados em US$ 140 milhões, desapareceram em fevereiro, foi reaberto para todas as moedas exceto XRB às 10hrs.

Às 13:20hrs, a plataforma foi mais uma vez fechada, desta vez supostamente em resposta a uma ordem judicial.“Esta manhã, após a reabertura, fomos notificados de uma ação do tribunal de Florença solicitando o fechamento imediato da BitGrail e essa situação persistirá até que uma decisão seja tomada pelos tribunais, sobre o pedido de suspensão cautelar feito pelo Bonelli. escritório de advocacia em nome de um cliente ”, escreveu o BitGrail em um comunicado. “A decisão está marcada para 16 de maio de 2018.”

O comunicado indica que a solicitação teve origem na BonneliErede, uma firma jurídica italiana que na semana passada apresentou uma petição em nome de um credor da BitGrail, buscando forçar a empresa à falência.

O proprietário da BitGrail Francesco “The Bomber” Firano sustenta que as “transações não autorizadas” que removeram os tokens da plataforma ocorreram devido a uma falha no protocolo Nano, mas os desenvolvedores, que já tiveram uma estreita relação de trabalho com a Firano, alegam que a exchange não tinha condição de pagar muito antes do hack, mas que a empresa havia ocultado esse fato pelo maior tempo possível.

“Até o momento, todas as evidências confiáveis ​​que analisamos continuam apontando para um bug no software da BitGrail como a razão para a perda de fundos”, escreveu a Nano Foundation em uma atualização de abril.

A Fundação Nano patrocinou um fundo legal para as vítimas do BitGrail e se comprometeu a juntar até US$ 1 milhão em doações para o fundo.

Enquanto isso, Firano tem denunciado as tentativas de forçar a empresa à falência, argumentando que isso levará ao “pior resultado possível para todos os envolvidos” e, em última análise, não ajudará as vítimas a recuperar seus fundos perdidos.

Anteriormente, uma suposta vítima entrou com uma ação coletiva contra o próprio Nano, buscando forçar os desenvolvedores a adotar uma “bifurcação de resgate” para recuperar os fundos perdidos.

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.