Coreia do Sul planeja cobrar imposto de renda de 20% sobre transações de criptomoedas

Coreia do Sul planeja cobrar imposto de renda de 20% sobre transações de criptomoedas

A Coréia do Sul planeja impor um imposto de renda de 20 por cento sobre os ganhos de capital de transações de criptomoedas a partir do próximo ano conforme planejado, o governo anunciou na sexta-feira, apesar dos crescentes pedidos de investidores para adiar o plano de tributação.

O governo anunciou o plano depois de discutir o assunto durante uma reunião interagências vice-ministerial presidida por Koo Yoon-cheol, chefe da coordenação de políticas do governo no Gabinete do Primeiro-Ministro.

Ganhos com transações de criptomoedas serão classificados como “receitas diversas” e estarão sujeitos a um imposto de 20% a partir do próximo ano. Os ganhos de ativos virtuais devem ser informados ao solicitar o imposto de renda geral em maio de 2023, relata a agência de notícias Yonhap.

A Comissão de Serviços Financeiros (FSC), o regulador financeiro do país, também foi designada como a principal agência governamental encarregada de supervisionar e regular o mercado de ativos virtuais. O ministério da ciência foi escolhido para lidar com a promoção e o crescimento da indústria de blockchain relacionada.

As autoridades também decidiram estender o período de campanha especial do governo para monitorar e reprimir atividades ilegais no mercado de ativos virtuais até setembro.

No mês passado, o ministro das Finanças, Hong Nam-ki, disse que o governo prosseguirá com a tributação das transações de criptomoeda, que as autoridades financeiras classificam como “ativos virtuais”, e não moedas virtuais.

O governo também reiterou sua posição de que “ativos virtuais não podem ser reconhecidos como moeda (real) ou produtos financeiros” e que “ninguém pode garantir” o valor de mercado atualmente negociado dos ativos virtuais.

As autoridades também planejam restringir os operadores de negócios relacionados à criptomoedas de fazer transações usando suas próprias empresas, a fim de evitar a manipulação de preços e atividades desleais.

De acordo com o FSC, o número de empresas de comércio de criptomoedas domésticas era de cerca de 60 em 20 de maio.

Dessas, 20 empresas receberam certificações de Sistema de Gestão de Segurança da Informação para provar que seus sistemas de proteção de informação são seguros. Descobriu-se que quatro empresas adotaram sistemas que usam contas de saque em nome real.

Traduzido e adaptado de: businessinsider.in

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *