Homem que roubou US$ 7 Milhões em Bitcoin pode ser condenado a 60 anos de Prisão

Chefe de empresa de custódia de criptomoedas é acusado de fraude de US$ 7 milhões

O chefe de um serviço de custódia do bitcoin enfrenta décadas atrás das grades se for considerado culpado por acusações de fraude relacionada ao bitcoin.

De acordo com o Gabinete do Procurador dos EUA do Distrito Sul de Nova York, Jon Barry Thompson, do Volantis Market Maker, é acusado de cometer duas acusações cada uma de mercadorias e fraude eletrônica por alegações falsas relativas à aquisição e venda de US$ 7 milhões em bitcoin.

A Comissão de Comércio de Futuros de Commodities dos EUA também levantou acusações civis contra Thompson na segunda-feira.

Em uma denúncia apresentada no início deste verão, um grande júri alegou que Thompson fraudou duas empresas dos fundos destinados à compra de bitcoin em 2018. Na época, o bitcoin era negociado por pouco menos de US$ 8.000 por moeda.

Diz-se que Thompson disse às duas empresas que a Volantis foi registrada como uma empresa de responsabilidade limitada no estado de Delaware, embora não exista registro. A Volantis operava principalmente fora da Pensilvânia, de acordo com a denúncia.

Alega-se que uma das transações fraudulentas ocorreu em junho e julho de 2018, com a “Empresa-1” dando a Thompson US$ 3 milhões para facilitar as compras de bitcoin. Conforme descrito na denúncia, a Empresa-1 era uma mesa de operações de balcão (OTC).

A denúncia afirma que Thompson enviou os fundos para um serviço de custódia de terceiros que nunca comprou o bitcoin prometido ou devolveu os fundos. Thompson mentiu várias vezes para a Empresa-1 sobre o estado da transação e onde o bitcoin residia, dizendo “dinheiro está comigo, moeda está comigo”.

Thompson afirmou ainda que “não há risco de inadimplência”, uma vez que a Volantis controlava “ambos os lados da transação”.

Chefe de empresa de custódia de criptomoedas é acusado de fraude de US$ 7 milhões
Chefe de empresa de custódia de criptomoedas é acusado de fraude de US$ 7 milhões.

A empresa-1 não recebeu o bitcoin prometido nem teve seus US$ 3 milhões devolvidos, de acordo com a procuradoria.

Uma história semelhante aconteceu no início daquele ano, com a “Empresa-2″, uma empresa de investimentos irlandesa chamada Symphony. Em março de 2018, Thompson assinou um contrato com a Symphony como facilitador em uma compra de US$ 4 milhões em bitcoin. Thompson usou um terceiro não divulgado para facilitar as transações, a quem deu o capital sem receber bitcoins em troca.

Assim como na Empresa-1, o acordo com a Symphony foi encerrado em julho de 2018 com a Symphony fora do bolso e sem receber bitcoin.

De acordo com as atuais leis da Pensilvânia sobre mercadorias e fraude eletrônica, Thompson pode pegar até 60 anos de prisão pelas quatro acusações.

O advogado dos EUA em Manhattan, Geoffrey S. Berman, disse:

“Como alegado, Jon Barry Thompson mentiu várias vezes para investidores em criptomoedas sobre a segurança de seus investimentos feitos por meio de suas empresas. Como resultado das mentiras de Thompson, os investidores perderam milhões de dólares. ”

Traduzido e adaptado de: coindesk.com

Deixe um comentário