Plataforma blockchain da Baidu promete ajudar fotógrafos com direitos autorais

O Baidu, gigante da internet na China, lançou um serviço de fotografia baseado em blockchain para combater violações de direitos autorais na China.

De acordo com Coindesk, o serviço, chamado Totem, foi ao ar na quarta-feira, 11 de abril. O Totem permite que os fotógrafos criem seu perfil e reivindiquem direitos autorais sobre suas fotos. A imagem junto com os detalhes associados deve ser armazenada em um livro público distribuído.O Baidu afirma que isso ajudará a conter a violação de direitos de propriedade intelectual, pois esses dados podem ser comparados com as imagens que circulam na Internet, e as violações de direitos autorais podem ser facilmente reivindicadas. Como está descrito no site do serviço:

As informações de direitos autorais são gravadas permanentemente na blockchain. Com base na credibilidade da rede descentralizada e na modificação irreconciliável, a tecnologia de mapeamento de inteligência artificial do Baidu é combinada para garantir que a disseminação do trabalho seja rastreável, reproduzível, monitorável e altere os direitos autorais de imagens tradicionais.

Para tais palavras extravagantes, é surpreendente que a Baidu tenha optado por não publicar nenhuma informação detalhada sobre a tecnologia envolvida ou sobre o produto em seu site. Atualmente, não há relatório ou outras informações no site e ainda não está claro que tipo de blockchain o Baidu está planejando usar.

A empresa china também anunciou parceria com 1TU.com, View Stock e Gaopin, entre outros, para o serviço, e já lista vários fotógrafos que supostamente se inscreveram para o serviço.

A Baidu não é a única empresa a explorar o blockchain no setor de fotografia. A Kodak também anunciou planos de emitir sua própria criptomoeda para os fotógrafos

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.