OnlyFans reverte decisão de banir pornografia após garantias de “parceiros bancários”

OnlyFans reverte decisão de banir pornografia após garantias de parceiros bancários

OnlyFans reverteu sua decisão de banir o conteúdo sexualmente explícito depois de ter recebido uma reação dos criadores e algumas novas garantias de pelo menos um banco que sofria de relações públicas ruins.

A plataforma se tornou extremamente popular ao conectar profissionais do sexo online aos assinantes, mas isso não foi bem recebido por vários bancos importantes.

A empresa foi forçada a mudar sua política em 19 de agosto para proibir a “conduta sexualmente explícita” após pressão do Bank of New York Mellon, Metro Bank e JPMorgan Chase, que se recusou a fornecer serviços aos usuários da plataforma.

Através de um tweet, OnlyFans afirmou que agora reverteu essa decisão e continuará a fornecer um lar para todos os criadores.

Um representante do OnlyFans disse ao TechCrunch:

“As alterações propostas para 1º de outubro de 2021 não são mais necessárias devido às garantias dos parceiros bancários de que OnlyFans pode oferecer suporte a todos os gêneros de criadores.”

No entanto, o comunicado oficial apenas diz que “suspendeu” a política, o que sugere que a política pode ser reintroduzida em uma data posterior se as garantias não forem apoiadas na realidade.

A decisão de banir o conteúdo sexualmente explícito frustrou as trabalhadoras do sexo que contam com a plataforma para se sustentar financeiramente, especialmente durante bloqueios induzidos por pandemia. Após a decisão, alguns criadores já haviam excluído suas contas OnlyFans e mudado para serviços alternativos.

Tim Stokely, fundador e CEO da OnlyFans, afirmou que a empresa paga a mais de 1 milhão de criadores mais de $300 milhões todos os meses, acrescentando:

“Garantir que esses fundos cheguem aos criadores envolve o uso do setor bancário.”

Em declarações ao Financial Times esta semana, Stokely citou o JPMorgan, em particular, como sendo “agressivo no fechamento de contas de trabalhadoras do sexo” ou qualquer empresa que as apoie. Parece que OnlyFans conseguiu encontrar uma solução para o problema com pelo menos um banco após ampla publicidade sobre o assunto.

OnlyFans foi fundado em 2016 e afirma ter mais de 130 milhões de usuários registrados e 2 milhões de criadores.

Em 2019, o Pornhub enfrentou problemas semelhantes quando o PayPal retirou serviços da plataforma. Na época, o Pornhub voltou-se para a criptomoeda Verge (XVG) com foco na privacidade. Visa e Mastercard seguiram o exemplo em 2020, evitando o maior site pornográfico do mundo, forçando ainda mais a dependência de criptomoedas.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.