Projeto MiniSwap: exchanges centralizadas e descentralizadas

Uma plataforma descentralizada, MiniSwap, afirma que está ajudando a criar uma rede conectada de ecossistemas DeFi – e oferece um modelo híbrido inovador que combina mineração sem transações e mineração de liquidez em um só lugar.

MiniSwap diz que as exchanges de criptomoedas processam atualmente bilhões de dólares em volumes de negociação todos os dias, mas sérios problemas foram identificados com as plataformas centralizadas. A equipe aponta para a triste saga da QuadrigaCX, a exchange canadense que perdeu ativos de clientes no valor de aproximadamente US$ 190 milhões quando seu dono morreu.

Ainda que o projeto acredite firmemente que alternativas descentralizadas ajudam a eliminar problemas de confiança, permitindo que os comerciantes comprem e vendam criptomoedas em uma base ponto a ponto, MiniSwap diz que há desvantagens que as exchanges descentralizadas precisam resolver. Sustentabilidade, injustiça e longa latência de confirmação são três dos maiores problemas – além de incentivar os fornecedores de liquidez a se envolver pode ser um desafio devido a “projetos de incentivos falhos”.

O MiniSwap visa mudar isso, incentivando os comerciantes e provedores de liquidez a se juntarem ao seu ecossistema. O projeto também afirma que sua abordagem é sustentável, visto que utiliza um processo de mineração que pode durar 100 anos.

Advertindo que o status quo não pode continuar, o white paper do projeto disse:

“Muitas plataformas de troca foram criadas para fornecer serviços convenientes para os usuários trocarem suas moedas. No entanto, a grande maioria deles são plataformas centralizadas e exigem acesso às chaves privadas dos usuários. Em outras palavras, os usuários teriam que confiar totalmente nos serviços fornecidos pelas plataformas de troca. Geralmente, tal confiança forte não pode ser estabelecida e isso também contradiz o princípio de design de um sistema financeiro descentralizado.

Projeto MiniSwap: exchanges centralizadas e descentralizadas

Onde o MiniSwap entra

O projeto MiniSwap está criando uma plataforma de negociação automatizada e descentralizada baseada no Ethereum – abrindo caminho para que qualquer par de tokens suportados pelo ecossistema do Ethereum sejam trocados facilmente. É aqui que o modelo de mineração híbrido entra em ação. Como o white paper explica:

“Todos os participantes, incluindo comerciantes, provedores de liquidez e titulares de MINI, obterão o MINI por sua contribuição como recompensas de negociação, recompensas de reserva e recompensas da comunidade, respectivamente.”

Isso abrirá caminho para o lançamento do MiniSwap DeFi, com um conjunto de produtos financeiros descentralizados, incluindo derivativos, como opções e futuros. Atualmente, DeFi é um dos setores de crescimento mais rápido na indústria de criptomoeda, e a equipe por trás deste projeto diz que este estágio é crucial para garantir que o MiniSwap seja um ecossistema “ao invés de apenas um pool de liquidez ou um serviço de troca”.

Por último, mas não menos importante, a equipe tem grandes projetos para um serviço conhecido como MiniSwap Global, permitindo que sua plataforma DeFi se comunique através de livros-razão distribuídos e permitindo que os comerciantes “de diferentes plataformas de blockchain negociem perfeitamente”.

Embora o MiniSwap reconheça que a mineração livre de transações e a mineração de liquidez, que são os principais componentes do modelo híbrido, não são novidade, o projeto afirma que as tentativas anteriores de entregá-los foram insustentáveis. Ele aponta para FCoin, a primeira a propor tal abordagem, e avisa que este sistema perderá vitalidade uma vez que todas as moedas forem cunhadas porque “não há suprimento suficiente para ser distribuído”.

Para contornar esse problema, o MiniSwap tem um limite superior no número de tokens que podem ser criados todos os dias – 500.000, para ser exato – e esse limite será reduzido a cada mês gradualmente até que o limite inferior final de 18.000 seja atingido.

MiniSwap listou seu primeiro projeto, YMI, em 7 de setembro e diz que já atraiu uma comunidade entusiasmada. Em uma postagem no blog em 11 de setembro, revelou que seu canal Telegram tem 3.540 membros e que agora tem 3.117 seguidores no Twitter. A plataforma também tem um grande número de seguidores na China, onde mais de 2.826 pessoas estão acompanhando os desenvolvimentos à medida que ela segue seu roteiro.

Veja mais em: Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Fusão entre Voyager e LGO
Criptomoedas

Fusão entre Voyager e LGO

A Voyager, corretora de criptomoedas, se associou à LGO, uma exchange europeia de ativos digitais voltada para instituições. Hugo Renaudin, CEO da LGO, disse: “LGO

Leia Mais »

Deixe um comentário