Telegram pagará multa de US$ 18,5 milhões à SEC por falha

Após as notícias de quinta-feira de que o Telegram concordou em resolver o caso da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) contra o projeto de criptomoeda abandonado, um juiz aceitou os termos na sexta-feira.

Agora, a plataforma de mensagens pode passar do escrutínio federal que a assombra desde que a SEC entrou com uma ação em outubro de 2019, quando alegou que os US$ 1,7 bilhão arrecadados em uma ICO constituíam uma oferta ilegal de valores mobiliários.

No entanto, o Telegram não saiu da bagunça sem uma penalidade significativa. Embora o Telegram não tenha admitido nenhuma irregularidade no acordo, a empresa terá que pagar uma multa civil de US$ 18,5 milhões à SEC, além de alertar a agência com antecedência caso deseje emitir mais moeda digital nos próximos três anos.

O Telegram também deve devolver os US$ 1,242 bilhão aos investidores que ainda não foram gastos dos US$ 1,7 bilhão levantados por meio da sua oferta inicial de moedas (ICO) em 2018. A empresa já deu esse passo com os investidores, oferecendo-se a devolver o percentual restante agora ou manter o valor como empréstimo e pagar 110% do investimento original um ano depois.

Telegram pagará multa de US$ 18,5 milhões à SEC por falha
Telegram pagará multa de US$ 18,5 milhões à SEC por falha.

“Como vimos um valor limitado ao prosseguir com o caso judicial, congratulamo-nos com a oportunidade de resolvê-lo sem admitir ou negar nossa responsabilidade”, escreveu o CEO Pavel Durov em seu canal pessoal do Telegram .

“Estamos ansiosos para continuar perseguindo nossos outros projetos e caminhos para a inovação”, acrescentou, “e esperamos que o ambiente regulatório da tecnologia blockchain nos EUA se torne mais favorável para outros no futuro.”

A ascensão e queda de TON

O Telegram abandonou oficialmente o projeto Telegram Open Network (TON) em 12 de maio. A empresa lançou o programa com sua ICO de 2018 em uma tentativa de monetizar a plataforma de mensagens, que possui mais de 400 milhões de usuários globais .

Após o arquivamento da SEC em outubro passado, os advogados do Telegram tentaram defender a ICO alegando que a empresa não estava vendendo criptomoedas Gram, mas sim os direitos a Grams que seriam cunhados na linha. A SEC aparentemente não comprou esse argumento.

Com os problemas legais impedindo o Telegram de lançar a rede até 30 de abril, o prazo prometido aos investidores, a empresa foi forçada a cancelar seus planos.

“Lamentavelmente, não conseguimos lançar a plataforma TON até o prazo final devido à liminar ordenada pelo Tribunal e, portanto, tivemos que devolver os fundos restantes aos compradores de acordo com nossos acordos contratuais”, escreveu Durov em seu canal Telegram.

O Telegram lavou as mãos da TON e concordou com o acordo, mas a rede continuará através de colaboradores externos. Usando o código-fonte aberto do Telegram, organizações comunitárias como Free TON, NewTON e TON Chinese Community planejam dar vida à rede.

Traduzido e adaptado de: decrypt.co

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário