Venezuela diz que a proibição de Trump fez duplicar os investidores do Petro

O secretário executivo do Blockchain Observatory da Venezuela, Daniel Peña, recentemente fez uma entrevista para o jornal Cuatro F do país, no qual ele afirma que a proibição de Donald Trump para o Petro (PTR) era publicidade gratuita para a criptomoeda apoiada pelo petróleo. Tanto assim, supostamente ajudou a dobrar o número de investidores interessados.

Em um comunicado o presidente dos EUA, Donald Trump, emitiu uma ordem executiva que proíbe cidadãos norte-americanos ou qualquer residente dos Estados Unidos de comprar, trocar ou negociar ativos digitais relacionados ao governo venezuelano.

Em sua entrevista, Peña revelou que ele vê criptomoedas e tecnologia blockchain como “passos importantes na revolução da humanidade”. Ele afirmou que sabe que a Venezuela está indo na direção certa com o Petro, como Donald Trump teve tempo para emitir uma ordem executiva sobre ele. Quando perguntado como as palavras de Trump afetaram a criptomoeda apoiada pelo petróleo, ele afirmou (traduzido grosseiramente):

“Eu respondo como Earle Herrera [jornalista venezuelano] quando ele disse que eu não sei nada sobre criptomoeda, nem tenho clareza sobre a evolução da moeda digital; Mas se o presidente dos EUA, Donald Trump, der tempo, imagine isso. Uma pessoa tão ocupada dando seu tempo, isso significa que estamos no caminho certo.”

Peña afirmou ainda que o governo do país estava se preparando para um ataque dos EUA ao Petro. O movimento de Trump, ele disse, não afetou o Petro, mas serviu como um “bumerangue para o governo dos EUA”, já que “despertou mais interesse em adquirir o Petro no mundo”.

O secretário executivo observou que antes das palavras de Trump, o Petro tinha “mais ou menos 400 clientes” por dia, e que após as palavras do presidente o número subiu para 800. A venda da Petro durará até que cada token tenha sido comprado.

O líder venezuelano Nicolás Maduro, no mês passado, afirmou que a pré-venda do Petro arrecadou US$ 5 bilhões. Esses números, de acordo com as informações disponíveis atualmente, não batem com a realidade se levarmos em conta que um total de 38,4 milhões de tokens estavam sendo vendidos a US$ 60 cada. Isso significa que Maduro pode ter falsificado esses números.

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
FinCEN e regulamentação
Criptomoedas

FinCEN e regulamentação

Desde que o Federal Reserve dos Estados Unidos e a Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) abriram para comentários públicos uma regra proposta para adquirir mais

Leia Mais »

Deixe um comentário