CEO da Mastercard: Temos que estar no setor de criptomoedas

CEO da Mastercard Temos que estar no setor de criptomoedas

As redes de cartões tradicionais estão competindo para garantir que seus serviços permaneçam no centro de novos desenvolvimentos em ativos digitais e criptomoedas, sejam eles moedas digitais do banco central (CBDCs) ou stablecoins do setor privado.

Em uma teleconferência de resultados, o CEO da Mastercard, Michael Miebach, discutiu os desenvolvimentos recentes em criptomoedas e CBDCs, argumentando que a empresa estava bem posicionada para permanecer um eixo dos fluxos de valor intra e internacionais:

“O que acreditamos fazer é trazer uma perspectiva para o mercado como provedor de pagamento multimercado. Temos que estar neste espaço porque as pessoas estão procurando por respostas.”

A Mastercard tem sido altamente pró-ativa em acompanhar as inovações em moeda digital, estimulada, em parte, pela concorrência com seu rival Visa. Em fevereiro, a Mastercard revelou planos para oferecer suporte à criptomoedas em 2021, abrindo caminho para que seus quase um bilhão de usuários gastassem suas criptomoedas em mais de 30 milhões de comerciantes com suporte em todo o mundo.

No início desta semana, a empresa anunciou um novo programa de engajamento de startups como parte do Mastercard Start Path – um programa acelerador com o objetivo de apoiar fintechs e empresas que trabalham com ativos digitais, criptomoedas e tecnologia de blockchain. O mais recente a ser integrado inclui a startup do oracle blockchain SupraOracles, provedor de infraestrutura blockchain STACS, empresa de ativos digitais Taurus e Mintable, um mercado para emissão e negociação de NFTs.

No front público, a empresa também lançou um ambiente de teste virtual projetado para ajudar os bancos centrais a simular a emissão, distribuição e transações de CBDCs entre várias partes. A plataforma é voltada para projetos de CBDC de atacado e varejo e oferece uma visão prática de como, entre muitas outras possibilidades, um CBDC poderia ser interoperável com métodos de pagamento existentes e ser usado para pagar bens e serviços do dia a dia.

Durante a teleconferência de resultados, Miebach argumentou:

“Todos esses países precisam fazer um trade-off entre a entrega existente de produtos financeiros e o que um CBDC está resolvendo, seja inclusão financeira ou pagamentos internacionais. Temos experiência com tudo isso.”

A Mastercard também não está negligenciando o setor de stablecoin, que já viu moedas de sucesso como a moeda USD indexada ao dólar da Circle (USDC) e está pronta para o lançamento de Diem, afiliado ao Facebook. Miebach confirmou que a empresa está preparando sua rede para dar suporte às transações stablecoin, fornecendo aos seus emissores que atendam aos requisitos regulatórios e aos padrões de segurança e proteção ao consumidor.

O CEO da Visa fez comentários igualmente otimistas em relação aos stablecoins este ano, argumentando que seus blockchains podem ser considerados trilhos de pagamento semelhantes às redes RPT ou ACH. A Visa também não é contrária a ativos criptográficos mais voláteis, considerando-os uma reserva de valor para a qual a empresa ainda pode fornecer serviços fiat on-ramp.

Eric Grover, diretor da Intrepid Ventures, disse aos repórteres esta semana que tanto os stablecoins quanto os CBDCs devem estar “na casa do leme do Mastercard e Visa” e que ambas as redes de cartão devem se envolver com esses desenvolvimentos com gosto.

No início deste mês, a Mastercard anunciou novas parcerias com Circle, Paxos, Evolve Bank & Trust e muitos outros em um projeto conjunto para permitir que bancos e empresas de criptomoedas implementem cartões criptográficos que podem ser usados ​​em qualquer lugar onde o Mastercard seja aceito.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.