Após um aumento meteórico no valor durante o inverno de 2017, o preço do Bitcoin começou a cair no início deste ano, levando muitos economistas e investidores a especularem que a bolha da criptomoeda está prestes a estourar de forma espetacular.

No entanto, uma análise publicada recentemente por pesquisadores alemães destaca como uma das maiores forças da moeda digital pode levar à sua queda, independentemente do valor monetário.

De acordo com seu relatório, os governos de todo o mundo poderiam ser forçados a proibir o Bitcoin devido à capacidade dos usuários de armazenar conteúdo ilegal – e perturbador – dentro de seu livro de transações de acesso aberto, chamado blockchain.

Projetado de maneira inteligente para fornecer um registro de pagamentos que seja transparente e à prova de falsificação, a blockchain também inclui um recurso que permite aos usuários inserir informações não financeiras nas entradas.

Esse armazenamento de dados arbitrário tem muitos benefícios: ele cria um espaço para notas de transação relevantes, melhora a funcionalidade do processo de validação de transação segura e até fornece um meio de arquivamento anônimo de dados confidenciais, protegendo denunciantes e ameaçando jornalistas.

O problema? Para comprar, vender ou negociar bitcoin, todo usuário deve fazer o download de uma cópia do blockchain em sua totalidade, significando que eles estão tecnicamente de posse de todo o conteúdo indefinido contido nele. E talvez sem surpresa, dada a natureza humana, muitos usam indevidamente a blockchain para armazenar conteúdo censurável.

Depois de vasculhar cerca de 3,5 milhões de instâncias de dados arbitrários no livro digital, os pesquisadores conseguiram extrair 1.600 arquivos. Embora a maioria fosse inofensiva, dezenas de pastas continham links para direitos autorais ou conteúdo com violação de privacidade, e duas eram listas de links para sites de pornografia infantil.

Esses exemplos provavelmente são apenas a ponta do iceberg em termos de conteúdo suspeito já no blockchain, enfatizam os autores, já que muitos métodos para localizar arquivos ocultos são atualmente indecifráveis sem conhecimento interno. Além disso, novos dados arbitrários estão sendo adicionados continuamente.

“Embora as decisões judiciais ainda não existam, textos legislativos de países como a Alemanha, o Reino Unido ou os EUA sugerem que conteúdos ilegais como pornografia infantil podem tornar a blockchain ilegal para todos os usuários”, escrevem eles, acrescentando que um total de 112 nações têm leis contra a pornografia infantil.

Investigações anteriores já haviam despertado o alarme sobre o conteúdo perturbador dentro da blockchain, mas nenhuma nação instituiu proibições por esses motivos. No entanto, à luz de suas descobertas, os autores temem que o Bitcoin e outras criptomoedas baseadas em blockchains possam ficar comprometidas com a capacidade de exploração integrada do sistema no futuro.

Deixe um comentário