Minerworld é alvo da operação e tem computadores e documentos apreendidos

A operação Lucro Fácil foi deflagrada na manhã desta terça-feira, levando a ações de busca e apreensão de diversos documentos, computadores e smartphones da suposta mineradora de criptomoedas Minerworld.

Acusada de ser mais uma pirâmide financeira e investigada pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul, diversas pessoas registraram boletins de ocorrências e compartilharam experiências negativas da empresa em várias redes sociais. Os “investidores” são levados a investir nessas golpes, visando o lucro rápido e assegurado, que os líderes dos esquemas garantem.

Segundo o promotor Luiz Eduardo Lemos de Almeida, da 43ª Promotoria de Defesa do Consumidor, a MinerWorld oferece alta rentabilidade para atrair investidores para a mineração de bitcoins, contudo nenhum tipo de prova efetiva foi encontrada que sustente as atividades da “empresa”.

Em nota, a assessoria da MinerWorld informou que a empresa “não é, nem nunca foi, uma pirâmide financeira” e que as dificuldades para pagamento de investidores foi resultado de uma fraude na exchange Poloniex, cujo o qual foram “roubados” 851 bitcoins, equivalente a R$ 23,8 milhões.

Contudo, tanto a Poloniex, quanto os próprios usuários da exchange não constaram que o golpe realmente existiu e, caso ele tenha realmente acontecido, apenas a conta da Minerworld em específico foi afetada.

Assista a reportagem feito pela filial da rede Globo no Mato Grosso do Sul, clique aqui.

 

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário