O fundador do Oyster é preso

O fundador do Oyster é preso

Amir Burno Elmaani, o fundador do agora extinto esquema de criptomoeda Oyster Protocol, foi preso e acusado pelo que o Departamento de Justiça descreve como um “esquema multimilionário de evasão fiscal”.

O DoJ anunciou recentemente que havia revelado uma acusação que acusava Elmaani, de sonegação de impostos. O documento também observa acusações civis separadas movidas contra Elmaani pela SEC. Ele foi preso no mesmo dia.

A acusação alega que o homem de 28 anos ganhou milhões de dólares com a venda de tokens Oyster Pearl, no entanto, não relatou esses ganhos ao IRS e usou empresas de fachada para ofuscar a trilha de papel relativa à sua receita:

“Elmaani ganhou milhões de dólares com a venda de uma nova criptomoeda, mas evitou reportar essa receita ao IRS, incluindo preenchendo uma declaração de imposto de renda falsa, operando seu negócio e possuindo ativos por meio de pseudônimos e empresas de fachada, obtendo receita por meio de nomeados e negociando ouro e dinheiro.”

A declaração de imposto de renda de 2017 de Elmaani afirmou que ele ganhou apenas $15.000 naquele ano, enquanto seu retorno de 2018 alegou renda zero. O diretor assistente do FBI, William Sweeney, observou:

“Apesar da receita mínima relatada de Elmaani em 2018, ele ainda conseguiu gastar mais de US$10 milhões na compra de iates.”

Acredita-se que Elmaani tenha guardado barras de ouro em um cofre em seu iate, e que tenha usado grandes somas de dinheiro para pagar despesas pessoais. O DoJ também acredita que ele gastou mais de US$700.000 na compra de duas casas. Sweeney acrescentou dizendo:

“Depois da prisão de hoje, ele não vai navegar para lugar nenhum tão cedo.”

A acusação alega que Elmaanin começou a promover seus tokens Pearl em setembro de 2018 sob seu pseudônimo digital, alegando que os tokens alimentariam uma plataforma de armazenamento de dados online chamada Oyster Protocol.

Elmaani então lançou um ICO por meio de uma empresa de fachada não associada ao seu nome verdadeiro, revelando que ele também receberia uma “parte do fundador” dos tokens do projeto.

Em junho de 2018, Elmaani afirmou que reteria milhões de tokens como sua participação acionária e precisaria mover os tokens entre as carteiras sob seu controle para evitar a dupla tributação. No entanto, o DoJ alega:

“Elmaani usou amigos e familiares como indicados para receber os rendimentos da criptomoeda e transferi-los ou a moeda dos EUA para suas próprias contas.”

O governo também alegou que Elmaani cunhou novos tokens Pearl, apesar de alegar que o fornecimento do projeto foi corrigido em outubro de 2018, antes de descarregar os tokens nas trocas.

As trocas suspenderam e retiraram Pearl em resposta às ações de Elmaani, resultando na queda do valor do token e os investidores Pearl sofrendo perdas significativas.

Veja mais em: Criptomoedas | Notícias

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *