Nicolas Maduro ordena que o maior banco do país aceite a criptomoeda Petro

O presidente venezuelano, Nicolas Maduro, ordenou recentemente que o maior banco do país, o Banco de Venezuela, comece a aceitar depósitos na criptomoeda Petro, apoiada pelo petróleo, em um movimento feito para reforçar seu uso.

De acordo com um tweet publicado pelo Ministério das Finanças da Venezuela, Maduro emitiu uma ordem para o Banco da Venezuela “abrir as bancas da Petro, em todas as suas filiais”, quando celebrar o décimo aniversário da existência do banco.

Analistas acreditam que o pedido é o mais recente movimento em um conjunto de novas políticas que Maduro colocou em prática para reforçar a adoção do Petro, que tem sido fraco. No mês passado, Maduro anunciou que 924 milhões de bolívares, no valor de US$ 92,5 milhões, foram concedidos ao Banco Digital de Jovens e Estudantes, para abrir um milhão de carteiras Petro para a juventude do país.

Na época, José Angel Alvarez, presidente da Associação Nacional de Criptomoedas do país, declarou que era uma “decisão ousada e correta” avançar para uma “economia híbrida”, na qual moedas digitais e moeda fiduciária concorrem.

Nicolas Maduro ordena que o maior banco do país aceite a criptomoeda Petro
Nicolas Maduro ordena que o maior banco do país aceite a criptomoeda Petro.

Mais cedo, Maduro divulgou uma política que exigia que os cidadãos comprassem seus Petros usando a criptomoeda apoiada pelo petróleo. O presidente do país também tentou convencer outros países a pagar pelas exportações de petróleo com o Petro.

Enquanto isso, a adoção de criptomoedas como o bitcoin está crescendo a um ritmo acelerado, já que elas são vistas como um refúgio seguro que protegerá a poupança das pessoas contra a hiperinflação do bolívar. No início deste ano, o governo do país até lançou um serviço para enviar bitcoins e litecoins para seus cidadãos.

O polêmico Petro foi lançado no ano passado, e até agora aparentemente não conseguiu pegar como a maioria parece questionar a sua legitimidade. A Superintendência Nacional de Criptoactivos e Actividades Conexas (Sunacrip) – a Superintendência de Criptogramas e Atividades Relacionadas – o principal regulador de criptomoedas do país, começou a impor um limite mensal às remessas e tarifas de criptomoedas de até 15% do valor de uma transação.

Isso, no que se acredita ser uma tentativa de fazer com que os venezuelanos usem o Petro em vez de outras criptomoedas.

Traduzido e adaptado de: cryptoglobe.com

Deixe um comentário