Início»Criptomoedas»TOP 10 CRIPTOMOEDAS E O QUE VOCÊ PRECISA SABER

TOP 10 CRIPTOMOEDAS E O QUE VOCÊ PRECISA SABER

Resumo das principais Criptomoedas presentes no mercado (Top 10 Criptomoedas). E o que você precisa saber sobre cada Blockchain. 

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Abaixo segue o resumo das principais Criptomoedas presentes no mercado (Top 10 Criptomoedas). E o que você precisa saber sobre cada Blockchain.

Anúncio

BITCOIN (BTC)

O Bitcoin foi criado em meados de 2009 por Satoshi Nakamoto, uma figura anônima, e desde então desenvolveu-se de forma ativa e crescente. Sua base é o Blockchain e sua criptografia original que deu origem a todas as outras criptomoedas e ICOs. A tecnologia do Blockchain, é um poderoso sistema de registros, que garante a segurança das transações financeiras sem a presença de intermediários.

O Bitcoin pode ser considerado “moeda digital” ou “reserva de valor”. Na minha opinião, neste momento (jan/18), ele se enquadra como reserva de valor (“ouro digital”). É um “ativo” que nenhum banco ou governo controla, ele trafega na rede de forma descentralizada. O seu protocolo está programado para gerar “x” moedas, a cada fechamento de bloco (10 minutos), e possui um número máximo de “moedas” a serem criadas (21M sendo que aproximadamente 80% já estão em circulação). Todas as transações são registradas na rede e são imutáveis.

A tecnologia permite soluções como: Acesso para pessoas que não possuem contas bancarias, registros imutáveis, transferência de “ativos” sem intermediários, entre diversos outras aplicações.

ETHEREUM (ETH)

Criado por Vitalik Buterin em meados de 2015, com o objetivo de desenvolver plataforma descentralizada baseada na tecnologia Blockchain. A plataforma permiti a execução de “contratos inteligentes” “peer-to-peer”, registros e transações. Hoje existem centenas de empresas desenvolvendo projetos dentro da plataforma Ethereum.

Os “contratos inteligentes” permitem que as pessoas criem e promulguem contratos sem terceiros. Por exemplo, podemos criar um “contrato inteligente” para uma festa, onde venderemos ingressos, definimos um número máximo e mínimo de participantes (ou alguma outra variável) e forneceremos reembolsos automáticos (caso não atinja ou supere algumas das variáveis predefinidas). Todas estas variáveis ficam registradas e se auto executarão nas datas pré-definidas conforme valores obtidos.

RIPPLE (XRP)

Lançado em 2012, o Ripple pretende permitir transações financeiras globais seguras, instantâneas e quase gratuitas de qualquer tamanho sem rejeições. O seu principal foco é o sistema bancário o qual é desarticulado e contém milhares de sistemas de contabilidade espalhados por todo o mundo. É entendido, que se todos os bancos estivessem interligados no mesmo sistema, seria muito melhor. Com isto o principal foco do “Ripple” é conectar todos os sistemas de pagamento dos bancos em uma única rede Blockchain privada.

O XRP chegou a figurar em segundo lugar no ranking de valor de mercado, chegando a ameaçar o Bitcoin na liderança de mercado. Atualmente está na 3º posição e possui algumas “controvérsias” sobre sua real utilização. Além de ser uma Blockchain centralizada e a distribuição dos Tokens serem bem controvérsias conforme vemos abaixo.

O suprimento total de XRP em sua criação foi de 100 bilhões. Desse valor, 20 bilhões foram distribuídos entre criadores e os 80% restantes foram dados ao Ripple Labs. Hoje estima-se que apenas 10% dos Tokens XRP estão nas mãos de investidores. Sendo que os 90% restantes, estão nas mãos dos criadores, diretores e da empresa.

BITCOIN CASH (BCH)

Criado em agosto de 2017 através de uma divisão da rede Bitcoin (hard fork). É uma “nova” versão do Blockchain do Bitcoin. Criado por um grupo de desenvolvedores que não estavam concordando com a condução do processo de atualização da rede. Desta forma se uniram e “alteraram” o protocolo original do Bitcoin, tendo como principal alteração o tamanho de bloco maior. Com esta alteração, os criadores, defendem que a rede consegue maior capacidade de lidar com transações (taxas mais baixas e confirmações mais rápidas). Encontra como maior problema a adoção em “massa”, pois o mercado o reconhece apenas como uma cópia segundaria do Bitcoin.

CARDANO (ADA)

A Cardano é uma plataforma tecnológica baseada em Blockchain (“contratos inteligentes” e registros). O Token foi adicionado às corretoras no dia 1° de outubro de 2017. A distribuição de Tokens ADA ocorreu inicialmente na Ásia, entre outubro de 2015 e janeiro de 2017. A distribuição foi realizada em quatro etapas e todos os Tokens foram vendidos na pré-venda.

A Cardano foi desenvolvida por um dos co-fundadores do Ethereum, o Charles Hoskinson, após longos estudos, em busca de correção de falhas de outras criptomoedas anteriores.

O seu principal objetivo é criar um sistema que ele chama de terceira geração do Blockchain, após a primeira e segunda gerações, que foram o Bitcoin e o Ethereum, respectivamente. A ADA utiliza uma linguagem de programação mais robusta, conhecida como haskell. De acordo com os idealizadores, a tecnologia, permite maior robustez ao Blockchain e maior facilidade de encontrar erros no código. Pois possui uma linguagem de programação mais simples que as demais redes Blockchain.

Leia Também:  Malware faz com que milhares de telefones Android minerem Monero (XMR)

LITECOIN (LTC)

O Litecoin foi lançado em outubro de 2011 por um antigo funcionário da Google, Charles Lee, como uma alternativa à Bitcoin. O LTC pode ser minerada, usada como moeda e transacionada para bens e serviços. Lee trabalhou para reduzir o tempo necessário para confirmar novas transações e ajustar a forma como a moeda é minerada para garantir que qualquer pessoa consiga participar do processo. É considerada mais leve para processamento que o Bitcoin. Garantindo a possibilidade de mineração utilizando hardwares mais modestos, sem máquinas maiores, por exemplo. Com isso, ser uma moeda mais democrática e fácil de ser utilizada.

Durante muito tempo foi reconhecida por ser a “prata digital” alternativa ao Bitcoin “ouro digital”. O Litecoin possui um limite de 84 milhões de unidades com cerca de 54 milhões de moedas em circulação no momento.

NEM (XEM)

A plataforma Blockchain NEM foi projetada e codificada para escala e velocidade. A NEM utiliza algoritmo diferente do utilizado pelo Bitcoin. A NEM dá a seus usuários uma ”nota” que aumenta os benefícios de seus usuários de acordo com sua utilização. Com esse sistema alternativo, os idealizadores desta moeda procuram distribuir melhor as transações. Dando mais chances a quem não possui um hardware poderoso para mineração (bitcoin favorece quem possui maior poder de processamento). Além disso, por ser possível minerar a moeda em computadores “menos poderosos”, ela se mostra uma opção ecológica, pois se utiliza de menos “poder de processamento” consumindo menos energia.

EOS (EOS)

O EOS possui a proposta de ser uma plataforma semelhante à rede do Ethereum. A equipe da EOS propõe criar uma plataforma descentralizada em que você consiga fazer funcionar diversos tipos de aplicação.

A proposta é oferecer ferramentas para que pessoas e empresas construam sistemas que eliminem intermediários do processo. Um exemplo de caso de uso seria eliminar empresas como o Uber e o Airbnb da cadeia e fazer com que quem paga pelo serviço e quem recebe tenham formas mais baratas de realizar essa transação. Por meio de “contratos inteligentes” dentro da plataforma, se elimina a necessidade de uma contraparte intermediadora que garantisse o pagamento.

A distribuição dos Tokens do EOS, está em curso, e correrá pelo período de 341 dias a partir jun/2017. Criando um modelo de participação bem diferente de todos os projetos até o momento. Os EOS não serão vendidos por um preço fixo, mas por um preço determinado pela demanda de mercado. Durante 341 dias o EOS vai distribuir um bilhão de Tokens ERC-20, os chamados “Tokens EOS”, conforme programação abaixo:

– 20% dos Tokens EOS (200.000.000) foram distribuídos durante os primeiros cinco dias.
– 70% dos Tokens EOS (700.000.000) serão então igualmente divididos em 350 períodos consecutivos de 23 horas, de 2.000.000 Tokens EOS, a partir de 1 de julho de 2017.
– 10% dos Tokens EOS (100.000.000) serão reservados para a block.one e não poderão ser comercializados ou transferidos na rede Ethereum.

STELLAR LUMENS (XLM)

A Stellar Lumens foi criada pensando na formatação do novo sistema financeiro mundial. Tem uma proposta muito semelhante a Ripple. Seu discurso de criação é quase o mesmo, pois a XLM deseja ser um meio de pagamento para conectar pessoas e bancos. Se propõe ser um meio de pagamento e ter transações com taxas baixas, sua tecnologia está apta a realizar micro pagamentos, o que hoje é inviável em redes como a do Bitcoin (devido às altas taxas).

Em relação ao Bitcoin, ela apresenta a vantagem de fazer transações rápidas e não utilizar a mineração. A plataforma permite aos usuários realizar transações em qualquer tipo de moeda de forma decentralizada.

MONERO (XMR)

Criada em 2014, por um “hard fork” do Blockchain da Bytecoin, o XMR é uma criptografia que se concentra na segurança e privacidade (anonimato). Pretende tornar as transações anônimas e sem registros e tornar a mineração mais igualitária, para que mais pessoas possam ter acesso a esse tipo de operação.

Seu formato fez com que fosse adotada por sites como o Darknet, Alphabay, que chegaram a ter mais de 200 mil usuários. Estes sites foram fechados pela justiça, em 2017, devido à ilegalidade de seu funcionamento, pois estavam vendendo produtos proibidos.

 

Você pode acessar mais conteúdo sobre Criptomoedas neste link.

Se tem dúvidas ou quer fazer uma pergunta, acesse nosso FAQ.

Siga-nos nas redes sociais
Canal no Telegram Siga-nos no Facebook Acompanhe nosso Twitter Siga-nos no Instaram
Artigo anterior

Entrevista na TV Assembleia - Programa Panorama

Próximo artigo

Guia prático de como abrir uma conta na BINANCE

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.