Início»Informação»Validando um Plano de Negócios para sua Startup – Um estudo de caso

Validando um Plano de Negócios para sua Startup – Um estudo de caso

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Antes de iniciar uma nova empresa no mercado, é necessário ter certeza de que o mercado precisa da solução que este novo empreendimento está propondo. Este processo tem o nome de validação. A validação é o passo mais importante quando se pretende testar uma ideia inovadora. Ter um plano de negócios validado, com alguma relevância estatística, pode proporcionar investimentos, antes mesmo da inauguração da empresa.

E quais são as formas de validar um projeto? As mais comuns ocorrem por meio da aplicação de Questionários, envio de Mail Marketing, Pesquisa de Mercado (por uma empresa especialista) e Landing Pages, todas com o objetivo de levantar o interesse do mercado no produto e em seguida desenvolver um MVP (Minimmum Viable Product). O MVP ou, em sua tradução literal, Produto Mínimo Viável, é um processo que utiliza o mínimo de funcionalidades para aprender o máximo possível sobre clientes e o mercado. É a principal metodologia usada pelas startups atualmente, pois por meio dela é possível o aperfeiçoamento mais ágil do negócio, gastando menos recursos.

Em 2008, um estudante do MIT chamado Drew Houston enfrentava um problema recorrente em sua rotina: esquecer o pendrive em casa ou na faculdade. Cansado de ter de transferir grandes arquivos pela internet, o que era lento e trabalhoso, Houston teve então uma ideia inovadora – a criação do Dropbox. No entanto, apesar deste ser, na época, um problema comum dentre os amigos de Drew Houston, isso não significava que ele havia encontrado uma solução que muitas pessoas  aceitariam. Daí a necessidade de se validar uma ideia.

E foi pensando em chegar à um MVP gastando pouco, que o fundador do Dropbox criou uma Landing Page e começou a coletar informações do mercado. A Landing Page do Dropbox era muito simples e contava com um vídeo em motion graphic que explicava tudo que o produto teria a oferecer, além disso, possuía no rodapé da página um campo para cadastro de e-mail que permitia o direito à um acesso beta exclusivo da nova ferramenta. A meta era conseguir 15 mil cadastros nas primeiras 24 horas do site no ar, mas tiveram uma agradável surpresa quando ao fim do dia já possuíam 75 mil cadastros no site.

Leia Também:  Discussões políticas sobre o futuro do Blockchain e do BITCOIN no Brasil

Com essa validação, o fundador do Dropbox conseguiu um investimento inicial para colocar a ferramenta em funcionamento e, com 15 dias que a Landing Page estava on-line, o número de inscritos já ultrapassava 1 milhão de pessoas.

Uma vez que a ideia havia sido validada, Drew apresentou o projeto em uma das maiores feiras de tecnologia dos EUA, a TechCrunch50. Nesta etapa, Drew já havia recebido um aporte de um fundo de capital semente, mas o aplicativo ainda não havia sido lançado. Na TechCrunch50, o sucesso foi absoluto. Todos os olhos estavam voltados para a sensação do momento: O Dropbox. Mas o maior desafio ainda estava por vir: lançar um produto que correspondesse às expectativas dos usuários. E quem conhece sobre o manejo de servidores, sabe bem o pesadelo que é manter estabilidade em um sistema com milhares de acessos simultâneos. Mas Drew Houston não desanimou e, contando com o apoio de uma equipe de especialistas, foi liberando os acessos beta aos poucos. Dessa forma, a cada semana uma nova leva de convites eram liberados para os usuários que haviam se cadastrado. Durante esta etapa Beta do Dropbox, Drew pôde acompanhar em um ambiente controlado a evolução da ferramenta, as mudanças que seriam necessárias serem realizadas e o feedback dos usuários.

Hoje o Dropbox é uma das maiores empresas de armazenamento e compartilhamento de arquivos no mundo. No início de 2014, o Dropbox já era avaliado em mais de 10 bilhões de dólares e haviam muitos pedidos de abertura de IPO. Em 2017 a receita anual da empresa deve chegar em US$1 bilhão. E todo esse sucesso só foi possível graças uma ideia inovadora que foi corretamente testada.

Leia Também:  BMW usa tokens de blockchain para melhorar o rastreamento de milhas
Siga-nos nas redes sociais
Canal no Telegram Siga-nos no Facebook Acompanhe nosso Twitter Siga-nos no Instaram
Artigo anterior

Gestão em Tempos de Crise

Próximo artigo

Cloud Computing - Um Estudo de Caso

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.